segunda-feira, 26 de junho de 2017

EXAGERAR NO ÁLCOOL DE VEZ EM QUANDO PODE PREJUDICAR TOMADA DE DECISÕES...

FONTE: *** Jairo Bouer  (http://doutorjairo.blogosfera.uol.com.br).


Processar informações para a tomada de decisão e planejar ou organizar tarefas simples, como uma compra no supermercado, são capacidades ameaçadas pelo abuso eventual de álcool e drogas como maconha, cocaína e tranquilizantes, segundo um estudo da Escola de Saúde Pública e do Centro Médico da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos.

Em um artigo publicado na revista científica Addiction, os pesquisadores revelam que problemas cognitivos como os citados acima não são exclusividade de quem é viciado nessas substâncias. Quem consome de vez em quando também sofre deficits de atenção e prejuízos nas chamadas funções executivas do cérebro, aquelas que permitem o planejamento e a tomada de decisões complexas.

A equipe analisou dados de 36.085 entrevistados de um grande estudo epidemiológico, uma amostra representativa da população norte-americana com mais de 18 anos. Metade era do sexo feminino e tinha 45 anos ou mais, e 60% tinham feito faculdade. Ao todo, 1% abusava de cocaína e 33% exagerava na bebida.

Os deficits de atenção mais preocupantes foram associados ao uso frequente e também ao uso eventual, mas em grandes quantidades, de drogas estimulantes. E o nível mais baixo de funcionamento executivo foi encontrado nos usuários de cocaína e nas pessoas que consomem grandes quantidades de álcool em períodos curtos (“binge drinking”, ou beber em binge) – mais de quatro doses, para as mulheres, e mais de cinco, para os homens.


Os autores dizem que a abstinência e o uso reduzido de substâncias certamente protege o cérebro desses deficits. Mas eles querem descobrir, no futuro, se hábitos saudáveis, como dieta equilibrada, atividades físicas e intelectuais, também podem evitar perdas cognitivas entre os usuários de álcool e drogas.

        

DEZ MOTIVOS PELOS QUAIS OS HOMENS PERDEM O DESEJO SEXUAL...

FONTE: Acorda Cidade, site parceiro do Leiamais.ba, TRIBUNA DA BAHIA.

Cansaço e estresse lideram o raking.
As desculpas femininas para escapar do sexo já viraram até piada ao longo dos anos. Entretanto, quando são eles que negam fogo, elas não acham nada engraçado.
A boa notícia é que quase sempre a perda do desejo sexual nos homens não está ligada a parceira. Segundo Denise Miranda de Figueiredo, psicóloga, terapeuta de casais e cofundadora do Instituto do Casal, a falta de desejo do homem pode afetar a crença da mulher de que ela não é boa o suficiente.
“Ser rejeitada sexualmente é uma das piores coisas que pode acontecer para a mulher, porque mexe com o sistema de crenças sobre si mesma. Afeta a autoestima e a autoconfiança.
Muitas podem pensar que o parceiro tem outra pessoa e por isso não as quer”, explica Denise. Mas, são diversos os motivos que podem levar o homem a evitar o sexo e a maioria não está ligada à parceira.
Veja abaixo as mais frequentes, segundo o Instituto do Casal:

Estresse e cansaço:
Um estudo publicado pela Sociedade Portuguesa de Sexologia Clínica, em 2013, revelou que os principais motivos que geram diminuição do desejo sexual nos homens são o cansaço e o estresse e isso afeta, principalmente, os homens entre 30 e 39 anos.

Doenças crônicas.
"O diabetes e a pressão alta afetam diretamente o desejo sexual, pois levam à diminuição do calibre dos vasos sanguíneos. Com isso, o sangue circula com mais dificuldade. Consequentemente, afeta a ereção, já que para o pênis ficar ereto é necessária uma boa circulação sanguínea", explica a psicóloga,sexóloga, terapeuta de casais e cofundadora do Instituto do Casal, Marina Simas de Lima.

Obesidade.
Estar acima do peso impacta na autoimagem e pode, em alguns casos, devido ao excesso de pele e à gordura localizada, dar a impressão de que o pênis está escondido ou mais retraído, ou seja, existe a sensação do pênis ser visto como menor do que realmente é. Com isso, o homem pode “fugir” do sexo por se sentir constrangido.

Queda nos níveis da testosterona.
A partir dos 40 anos, os homens podem apresentar queda dos níveis da testosterona, hormônio ligado ao desejo sexual.

Depressão.
A depressão é uma das causas da queda do desejo sexual. Alguns medicamentos para tratar esta condição podem piorar este sintoma. O ideal é conversar com o médico psiquiatra para buscar medicações que não alterem a libido.

Disfunção erétil/Impotência sexual.
Segundo o estudo Mosaico 2.0, cerca de 32% dos homens brasileiros apresentam dificuldades para manter a ereção. O problema tem diversas causas, desde uso de medicamentos, as doenças crônicas já citadas, como também causas psicológicas. “Com medo de falhar, o homem pode evitar o sexo, por mais que goste da parceira”, explica Marina.

Rotina.
A rotina no relacionamento pode esfriar as coisas na cama, tanto para o homem quanto para a mulher. “Relacionamentos mais maduros, de muitos anos, tendem a deixar o sexo mais morno. É preciso investir no sexo para deixá-lo atraente. Um lugar novo, uma posição nova, um brinquedo erótico, uma lingerie. Tudo é válido”, recomendam as psicólogas.

Discussões e brigas em excesso.
Não há tesão que aguente um relacionamento cheio de conflitos. Se não forem bem resolvidos podem gerar mágoas e ressentimentos que impactam no desejo sexual. “Nada de jogar a poeira para debaixo do tapete. O casal precisa resolver seus conflitos para evitar o distanciamento na cama”, comenta Marina.

Excesso de bebida alcoólica.
O álcool, quando consumido em excesso e com frequência, pode levar à disfunção erétil/impotência sexual. O homem pode sentir mais dificuldade em ter ereções, mantê-las, assim como pode demorar mais tempo para ejacular.

Culpa.
Homens que têm disfunção erétil/impotência sexual e não tratam podem se sentir culpados por não dar prazer à parceira. Com isso, acabam evitando o sexo. Mesmo homens que não apresentam disfunção erétil, podem se sentir culpados se a parceira reclama do sexo ou se ele sente que não a satisfaz.

Como solucionar?
“Os problemas de saúde devem ser avaliados e tratados por um médico. Quando falamos de problemas psicológicos, o ideal é que o homem ou até o casal procure ajuda de um psicólogo especialista em sexualidade para endereçar essas questões e resolvê-las. O sexo é bom e faz muito bem para a saúde, sendo um dos pilares da qualidade de vida e de um casamento satisfatório”, concluem as psicólogas.  

DOR NO PEITO PODE SINALIZAR DESDE GASES ATÉ UM EMBOLIA PULMONAR...

FONTE: Amanda Palma (amanda.palma@redebahia.com.br), CORREIO DA BAHIA.


A dor associada a outros sintomas é que pode indicar um infarto ou outro problema cardíaco.

Quando vem aquele aperto no peito, a primeira coisa que se pensa é que pode ser um infarto. Mas, nem sempre esse é o motivo do incômodo. As razões são as mais variadas: de gases a embolia pulmonar. O que os especialistas recomendam é que quem sentir qualquer dor no tórax vá ao médico para que seja feito o  diagnóstico preciso e as suspeitas de algo grave descartadas.
Segundo o cardiologista Luiz Rita, o paciente deve procurar imediatamente uma unidade médica e evitar a automedicação. “É um perigo, a pessoa tem uma dor torácica e fica se medicando, pensando: 'ah é uma dor de gases, é só uma dor gástrica', toma uma pastilha, usa um remédio... Isso às vezes é perigoso. O médico é quem vai poder dizer se é uma dor com características cardíacas ou não”, explica.
Além de problemas coronarianos, a dor no peito pode significar outras coisas como gastrite, esofagite, doenças gástricas, doenças pulmonares (como pneumonia), lesões musculares (por trauma ou esforço repetitivo) e distensões musculares.

Outros problemas mais graves que um infarto podem ter como sintoma a dor no peito, como explica o cardiologista Marcos Barojas, diretor de comunicação da Sociedade Brasileira de Cardiologia - Seção Bahia e vice-coordenador da unidade coronariana do Hospital Português. “Além das situações de infarto que têm que ser primeiro pensadas, há outras situações, como o aneurisma dissecante de aorta - principal vaso do corpo humano - que, devido a alterações prévias, pode se tornar frágil e ficar em situação de risco iminente. Por isso o diagnóstico diferencial é fundamental”, explica.
O médico também cita como exemplos o tromboembolismo pulmonar, síndrome torácica aguda. Apenas exames podem identificar o que o paciente tem. “Algumas condições têm que ser investigadas, fazendo eletrocardiograma, exames laboratoriais simples e iniciais e uma boa conversa para determinar o mecanismo da dor”, detalha Barojas.
A dor associada a outros sintomas é que pode indicar um infarto ou outro problema cardíaco. “Quando a dor é intensa e não passa rapidamente, a pessoa deve procurar um serviço especializado para fazer uma melhor avaliação. Ou se uma característica como aperto gerar um profundo mal-estar e a dor irradiar para o braço esquerdo. Às vezes, essa regressão pode ir até uma dor de estômago, sudorese, tontura”, explica Leopoldo Piegas, cardiologista e coordenador do Programa de Infarto Agudo do Miocárdio do HCor (Hospital do Coração).
Riscos.
Quem possui fatores de risco como diabetes, colesterol alto, histórico de problemas cardíacos na família, hipertensão e tabagismo, deve ficar em alerta caso sinta dor no tórax. Foi o que aconteceu com o aposentado José Carlos Carvalho, 66 anos, que na semana passada foi parar em uma emergência. Ele já fez angioplastia para colocar stents nas coronárias e é acompanhado por cardiologistas.
“Eu fiquei sentindo um incômodo, como se o sangue não estivesse circulando. Isso só passava quando eu tossia”, contou. Ao menor sinal da dor, resolveu ir até a emergência, mas nada foi diagnosticado.
A decisão de José Carlos é a recomendada pelos médicos. “A dor torácica é muito frequente, as pessoas precisam entender que não podem esperar, não podem pagar para ver, postergar a queixa”, ressalta Barojas.
Por isso, o estudante Lucas Lima, 25 anos, resolveu se antecipar e visitar o médico quando sentiu dores. “Comecei a sentir as dores e achei que estava tendo um infarto. Eram dores fortes no peito junto com palpitações. Fui na emergência e o médico disse que não era nada. Fiz um eletrocardiograma e não apresentou nenhum problema”.
Mas ele não se deu por satisfeito com a falta de diagnóstico e marcou uma consulta. “Depois da emergência, procurei uma outra médica que disse também que não era nada. Não fiquei contente com o diagnóstico e pedi que ela me passasse alguns exames para eu  tirar a dúvida”, diz o estudante, que pesquisou na internet que a dor poderia também ser muscular ou ter outras causas bem menos graves. 
Baixas temperaturas podem contribuir para infartos.
Alguns estudos canadenses e americanos apontam que durante o inverno o número de infartos aumenta consideravelmente. No entanto, essa realidade não é muito comum no Brasil, nem na Bahia. Segundo o cardiologista Marcos Barojas, essas situações só acontecem em locais onde a temperatura cai bastante e está abaixo de zero. “Isso acontece em locais onde há neve, com temperaturas a -10º ou mais baixas”, explica.
A propensão a ter infartos por causa das baixas temperaturas também é maior entre  as pessoas que já possuem  fatores de risco para a doença. Por causa do frio, os vasos se comprimem e o coração precisa fazer um esforço maior para conseguir bombear o sangue, explica o médico. 
“Quem tem um histórico de doenças adquiridas, ao se expôr a um processo de entupimento progressivo isolado dos vasos, tem no frio  um gatilho que desencadeia o desequilíbrio e que destrói esses vasos. Quando o frio ocorre, o vaso se contrai e o coração faz um esforço maior, gerando a descompensação, o que provoca uma série de fenômenos internos”, detalha o médico.
No entanto, o cardiologista Luiz Rita, pondera que não apenas o frio pode ser o estopim para o infarto nos locais onde neva. Segundo ele, um estudo recente no Canadá apontou que nos meses em que a quantidade de neve era maior, o número de infartos também aumentava. “Eles relacionaram isso ao esforço que as pessoas faziam para retirar a neve das casas e às vezes não tinham o preparo físico para essa atividade. Temos que olhar o dado com um certo pragmatismo. Não é necessariamente o inverno que provoca o infarto, mas condições outras que estão presentes no inverno”, explica.
O cardiologista Leopoldo Piegas alerta ainda para a necessidade das pessoas tomarem a vacina contra a gripe e a pnemonia, que pode evitar futuros problemas cardíacos.
 “Uma coisa muito importante em relação ao frio, é que as pessoas devem ser vacinadas contra a gripe, devem ser vacinadas também contra a pneumonia. Uma gripe pode piorar uma situação cardíaca, pois exige mais do coração, o que pode causar infartos mais frequentes”, explica.

A doença é mais um esforço para o coração, segundo o cardiologista. “Todo o esforço do organismo, qualquer que seja, desde uma simples corrida a um estresse, exige mais do coração. Ele bate mais e se a pessoa tem um problema coronário, pode piorar até culminar em  um infarto”, completa.  

‘PREP’: UMA REVOLUÇÃO NO COMBATE AO HIV...

FONTE:, Natalia Cuminale, (http://www.msn.com).


Uma nova estratégia para a prevenção da aids será disponibilizada até o fim deste ano no Brasil para pessoas que vivem com risco altíssimo de contrair o vírus HIV.  Conhecido pelo nome comercial Truvada, uma combinação dos antirretrovirais tenofovir e emtricitabitina, o medicamento da farmacêutica americana Gilead será oferecido inicialmente a 7 000 pessoas pelo Sistema Único de Saúde. É destinado àqueles com maior vulnerabilidade de se infectar e que relatam dificuldades de se proteger em todas as relações sexuais. Fazem parte do grupo os homens que fazem sexo com homens, pessoas trans, casais sorodiscordantes (quando um tem o vírus e outro não) e profissionais do sexo. Embora a orientação inquestionável e mais eficaz para a prevenção do HIV seja o uso do preservativo, a realidade na prática é um pouco diferente. Pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde demonstrou que metade dos entrevistados relatou não ter recorrido ao produto de látex na última relação com parceiro casual. Diz o infectologista da USP, Rico Vasconcelos: “É uma mudança de paradigma. Está na hora de atualizar o discurso de que o preservativo é a única estratégia para a prevenção do HIV. É, sem dúvida, a melhor e tem de ser encorajada sempre. Mas há alternativa de proteção para quem falha em utilizá-lo”.

Popularmente conhecida como Prep (sigla em inglês de profilaxia pré-exposição), a estratégia consiste na ingestão diária de um comprimido por pessoas que não têm o vírus. Para receber o medicamento do governo, o interessado deverá ser submetido a uma avaliação para verificar qual seu grau de exposição ao vírus HIV. Uma vez dentro do programa, será orientado a adotar todas as medidas preventivas, como o uso de preservativo, além de fazer acompanhamento médico periódico e testes de HIV. O Truvada também pode ser adquirido nas farmácias particulares. Custa 290 reais por mês.

Calcula-se que atualmente 827 000 pessoas vivem com aids no Brasil. Segundo os últimos dados divulgados pelo Ministério da Saúde, houve um aumento principalmente entre os jovens do sexo masculino. Entre aqueles com 20 aos 24 anos, por exemplo, a taxa de detecção subiu de 16,2 casos para cada 100 000 habitantes, em 2005, para 33,1 casos em 2015. A oferta do tratamento é uma tentativa de frear esse avanço.

Eficácia.

O primeiro estudo com o Truvada teve início há uma década. A pesquisa recrutou 2 500 pessoas classificadas com alto risco de infecção. Metade delas recebeu os comprimidos azuis com o princípio ativo, enquanto a outra parte tomou placebo. De acordo com os resultados, os indivíduos que utilizaram o Truvada tiveram uma taxa 44% menor de infecção pelo HIV. Nos participantes que seguiram as recomendações médicas à risca e mantiveram a adesão ao tratamento, a redução da infecção foi ainda maior, de 92%. Até agora, foram realizados 32 estudos científicos com o composto, que incluíram 8.478 pessoas.

No Brasil, um estudo coordenado por Vasconcelos acompanhou 500 pessoas com alto risco de exposição ao vírus. “Nossos resultados até agora mostraram que essa é uma estratégia que funciona e que tem adesão alta. As pessoas vulneráveis ao HIV aderem tanto à consulta quanto ao uso do comprimido”, disse.

Estima-se que 150 000 pessoas utilizem esse medicamento no mundo, a maior parte delas está nos Estados Unidos. Lá, o composto foi aprovado em 2012 e seu uso cresce a cada ano. Um exemplo do impacto desse tipo de estratégia é a cidade de São Francisco, na Califórnia. Após a adoção do Truvada, o número de novos casos caiu quase 20% de 2013 para 2014.

Entre os americanos, o comprimido é popular na comunidade gay. O Grindr, um dos maiores aplicativos de encontros para esse público, acrescentou no ano passado a possibilidade acrescentar o termo ‘on PrEP’ no perfil do usuário. Quem assinala essa opção sinaliza aos seus possíveis parceiros que está se protegendo do HIV. O mesmo aplicativo também acrescentou no início deste ano um novo ‘gaymoji’ relacionado à Prep — o emoji é um comprimido azul, igual ao Truvada.

As principais dúvidas sobre a Prep.

Como funciona o medicamento? Ele bloqueia a entrada do vírus HIV no DNA das células de defesa do organismo, impedindo a sua replicação. A taxa de eficácia é de até 99%, segundo os estudos clínicos, desde que tomado corretamente. A indicação é de um comprimido, uma vez ao dia, que deve ser tomado regularmente, sem interrupções.

O uso da Prep exclui a necessidade do preservativo na relação sexual? Não. Deve ser um complemento a outras estratégias de prevenção, como a camisinha e o aconselhamento médico. O preservativo é a arma mais eficaz para proteger contra o HIV e evitar o contágio por outras doenças sexualmente transmissíveis, como a sífilis e a hepatite B.

Para quem a Prep é indicada? Para qualquer pessoa que tenha alto risco de infecção por HIV e que falha em se proteger adequadamente durante as relações sexuais. No Programa Prep Brasil, por exemplo, são elegíveis os homens que fazem sexo com homens, travestis e mulheres transexuais, que tenham praticado sexo anal sem preservativo com dois ou mais parceiros nos últimos 12 meses.

Tem efeitos colaterais? Sim. O efeito adverso mais grave é a insuficiência renal, que pode acometer 5% das pessoas. Por isso, quem utiliza o medicamento deve fazer acompanhamento trimestral para avaliar como está a saúde dos rins. Além disso, 16% relatam efeitos gastrointestinais, como náuseas e dores abdominais. Esses sintomas tendem a ser transitórios e a desaparecer após uso contínuo.

Quem inicia a Prep deve utilizá-la para sempre? Não necessariamente. Um exemplo seria um casal sorodiscordante que gostaria de ter um filho. O marido tem HIV, mas está com carga viral indetectável. A mulher pode utilizar o medicamento até engravidar, sem correr risco de contágio. Ou ainda um homem gay solteiro que relata dificuldades de usar a camisinha em todas as relações casuais. Nesse caso, o composto pode garantir uma proteção extra. Ele poderia interromper o uso quando decidir ter um parceiro fixo.

A bebida alcoólica tira o efeito da Prep? Não. A eficácia do Truvada é reduzida se não for utilizado corretamente.

Quem esqueceu uma vez de usar a camisinha deve usar a Prep? Não, nesse caso, a indicação é a utilização da terapia de pós-exposição. Deve-se procurar um serviço de saúde em até 72 horas para iniciar o esquema profilático com duração de 28 dias.


O Truvada pode aumentar a resistência ao HIV? Não. De acordo com a farmacêutica Gilead, o uso da Prep com Truvada não causa nenhum tipo de resistência ao vírus, desde que o usuário seja HIV negativo. Por isso, a empresa ressalta, é importante que o médico se assegure dessa condição e que a testagem para o HIV seja repetida a cada três meses.

NÃO ESTÁ VENDO OS RESULTADOS DO SEU TREINO?...

FONTE: Acorda Cidade, site parceiro do Leiamais.ba, TRIBUNA DA BAHIA.

Saiba o que pode estar acontecendo.


Em busca de uma vida mais saudável, muitas pessoas começam a praticar atividade física, sendo que uma das mais requisitadas é a musculação. Esse tipo de treinamento consiste na aplicação de diferentes cargas, amplitudes, velocidades e repetições, objetivando o desenvolvimento muscular.
A musculação ganhou grande popularidade e é possível praticá-la sem sair de casa. Porém, a falta de orientação e a pressa de algumas pessoas em obter bons resultados podem levar a erros cruciais e que farão com que a execução não seja a ideal.
O que pode estar acontecendo?
São vários os fatores que levam os praticantes de musculação a não conseguir obter os resultados desejados. Um deles e o que mais induz aos erros é a ansiedade. A pressão e a vontade de perder alguns quilos ou de ganhar músculos é extremamente prejudicial.
Não se pode confundir foco e objetivo com precipitação. É necessário separar as coisas. Não é recomendado praticar atividade física sem orientação, por isso, um médico especializado precisa ser consultado, metas devem ser definidas e um plano de treinos deve ser criado para que os resultados positivos venham com o tempo.
Erros que podem afetar a hipertrofia.
Para facilitar as soluções e saber o que não deve ser feito, listamos os cinco principais erros que podem afetar a hipertrofia. Se você quer ter treinos eficientes e resultados positivos, fique atento para não cometer esses atos falhos.
Dieta: um dos pontos que mais interferem nos resultados da musculação é adotar uma dieta errada. Ou então fugir da que foi projetada para você. A resolução desse erro é simples: realize consultas regulares com um nutricionista, pois ele orientará e indicará a melhor dieta. Porém, cabe ter o bom senso de seguir rigorosamente o que foi passado, mostrando o seu interesse em atingir os objetivos.
Treino demais ou poucos treinos: a falta de equilíbrio é um erro grave. Por falta de preparo e orientação, as pessoas acabam ou treinando em excesso e provocando o famoso overtraining, ou então treinam pouco. É preciso ter regularidade na prática das atividades. Quem busca resultados eficientes deve se dedicar. Não existe mágica na musculação, e sim trabalho, esforço, dieta e dedicação.
Zona de conforto: um problema recorrente nas academias é que os alunos se acostumam com os períodos e as séries de treinos que realizam. Quando o corpo entra na chamada “zona de conforto”, os resultados demoram muito mais para aparecer. Uma dica importante para solucionar essa questão é buscar variar as atividades praticadas, sempre com a observação e orientação profissional.

Não suplementar: por medo ou falta de conhecimento, a suplementação acaba sendo esquecida por muitas pessoas que treinam e praticam musculação. No entanto, com a devida orientação de um nutricionista e dos profissionais em academias, os melhores suplementos serão recomendados e desempenharão um papel essencial na busca pelo corpo ideal. Podemos citar a glutamina, um dos mais importantes para o crescimento muscular para quem almeja músculos mais fortes. Para encontrar o melhor suplemento para a sua necessidade, procure um nutricionista.

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS E CARDÍACAS REQUEREM ATENÇÃO ESPECIAL NO INVERNO...


FONTE: Camila Maciel, da Agência Brasil, CORREIO DA BAHIA.


Thiago Bezerra explica que a menor umidade e o resfriamento do ar deixam a mucosa nasal mais suscetível a infecções.
Com a chegada do inverno, que teve início na última quarta-feira (21), algumas doenças requerem atenção especial. A mais comum delas é a infecção respiratória. Resfriados, rinite e bronquite costumam ser mais frequentes com as mudanças de temperatura e o tempo seco. Mas o estilo de vida mais sedentário e as alterações no organismo por conta da estação também aumentam os riscos de doenças do coração. A Agência Brasil conversou com especialistas das duas áreas e destaca medidas que podem ajudar a prevenir doenças nessa época do ano.
O otorrinolaringologista Thiago Bezerra explica que a menor umidade e o resfriamento do ar deixam a mucosa nasal mais suscetível a infecções. A tendência de um maior confinamento em lugares fechados também aumentam a circulação de germes. “Daí vem aquela principal medida para evitar a difusão dessas infecções de vias aéreas superiores: lavar as mãos regularmente”, destacou o médico, que é membro da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF) e professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).
Ele destaca ainda outra medida simples, como o não compartilhamento de utensílios domésticos – como copos, pratos e talheres – quando um integrante da família estiver gripado. Para os quadros de rinossinusite, é fundamental lavar o nariz com soro fisiológico ou solução salina, que ajuda a desobstruir as vias e a diminuir a possibilidade de infecção. Ele aponta ainda que crianças costumam ser mais suscetíveis às doenças respiratórias, mas é preciso estar atento ao uso indiscriminado de antibióticos. “Se tiver dúvidas, busque uma avaliação médica”, alertou.
Coração
Os cuidados com o coração também são necessários nessa época de frio mais intenso em algumas partes do país. De acordo com o cardiologista Américo Tângari Júnior, a alimentação pesada, a maior probabilidade de abandono dos exercícios físicos e até mesmo uma gripe, favorecem as doenças do coração. “As mortes por enfarte do miocárdio aumentam 30% durante o inverno, segundo estudos feitos em todo o mundo há pelo menos 50 anos”, disse.
Em relação às infecções respiratórias, ele aponta que o risco de ataque cardíaco aumenta 17 vezes após doenças como pneumonia, gripe ou bronquite, segundo pesquisa da Universidade de Sydney, publicada no Internal Medicine Journal. Tângari Júnior destaca que, segundo o estudo, uma das hipóteses “para que a exposição a infartos seja maior após o registro de infecções respiratórias é a ocorrência de alterações no fluxo sanguíneo”.
Segundo o cardiologista, o frio também pode ser responsável pela contração dos vasos sanguíneos, de acordo com estudos realizados em hospitais paulistas. Isso ocorre porque os receptores nervosos da pele estimulam a liberação dos hormônios adrenalina e noradrenalina, que tem como consequência o estreitamento dos canais de circulação do sangue. “Embora não tão significativo, pode gerar rupturas de placas de gordura no interior das artérias coronárias, que irrigam o coração”, alerta.
No inverno, alimentos mais calóricos são consumidos como uma “necessidade para manter o corpo aquecido”. O médico destaca que o problema, no entanto, é que essa prática vem associada a um menor ritmo de exercícios físicos. “A pessoa deve manter no inverno a frequência, o volume e a intensidade da atividade física costumeira”, indica.

Além dos cuidados de prevenção e avaliação médica, especialmente de quem tem histórico familiar ou tem hipertensão, é importante manter uma alimentação saudável, evitando excesso de gordura e sal.

DOZE APOSTAS LEVAM O PRÊMIO DE R$ 139 MILHÕES DA QUINA DE SÃO JOÃO...

FONTE:, (http://www.msn.com).


A Quina de São João, uma das loterias mais disputadas do ano, foi sorteada na noite de sábado (24), em Campina Grande, na Paraíba.

Doze apostas acertaram os cinco números sorteados e dividirão o prêmio de R$ 139.464.831,48. Cada sortudo levará para casa R$ 11.622.069,29.

Confira os números sorteados e a região das apostas que levaram o prêmio principal: 06 - 07 - 13 - 14 - 26

Prêmio por Região:
MANAUS (AM) - 1 aposta
BRASÍLIA (DF) - 1 aposta
APARECIDA DE GOIÂNIA (GO) - 1 aposta
SÃO LUIS (MA) - 1 aposta
BELO HORIZONTE (MG) - 1 aposta
TEREZINA (PI) - 1 aposta
MARIALVA (PR) - 1 aposta
RIO DE JANEIRO (RJ) - 1 aposta
PASSO FUNDO (RS) - 1 aposta
SÃO PAULO (SP) - 3 apostas.

Outras 4.311 apostas fizeram a quadra, 236.205 fizeram o terno e 4.786.382 o duque. Elas embolsarão, respectivamente, R$2.516,56, R$ 69,06 e R$ 1,87 cada.

O próximo sorteio da Quina acontece na segunda (26), às 20h (horário de Brasília), e deverá pagar R$ 600 mil. Você já pode fazer a sua aposta pelo Sorte Online.

Como jogar na Quina.
Você pode se tornar milionário acertando apenas cinco números na Quina de São João.

Basta acessar o site do Sorte Online, selecionar a opção QUINA e  escolher entre 5 e 15 dezenas em "Escolha o Seu Palpite". Você também pode optar por um dos bolões do site.

Leva a QUINA quem acertar cinco números, mas também ganha quem fizer quatro, três ou dois números.  

Se preferir, baixe o App do Sorte Online no seu celular Android através do Google Play e faça a sua aposta pelo smartphone.

NOVOS PROJETOS PARA A AMAZÔNIA ESTÃO AMEAÇADOS...

FONTE:, TRIBUNA DA BAHIA.

O corte no orçamento, que chega a R$ 250 milhões, terá um impacto real nos programas ambientais e de preservação.

Diante de um corte inédito de apoio financeiro da Noruega ao Brasil por causa do desmatamento florestal, a parcela de recursos que será enviada ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em 2017 por Oslo não será suficiente sequer para atender a todos os novos projetos em consideração pelo governo para o Fundo da Amazônia.

O Estado apurou que, no total, o Brasil receberá no máximo US$ 35 milhões em 2017, um valor muito menor do que a média de US$ 110 milhões enviados anualmente.


Os dados são do Ministério do Meio Ambiente da Noruega. O corte, que chega a R$ 250 milhões, terá um impacto real nos programas ambientais e de preservação.

O Fundo, que é administrado pelo BNDES, tem até agora em 2017 apenas três projetos aprovados. Mas outros 19 estavam sob análise ou em consultas. No total, para que fossem aprovados, o fundo precisaria desembolsar US$ 175 milhões, cinco vezes o valor que a Noruega repassará ao Brasil.

Para calcular o repasse de apenas US$ 35 milhões, a Noruega considerou a taxa de desmatamento. Quanto maior ela for, menor o dinheiro liberado. Por um acordo de 2008, a Noruega destinou já US$ 1,1 bilhão ao Brasil, para um fundo do BNDES. Mas outros US$ 500 milhões ainda seriam enviados até 2020.

O banco diz que metade do dinheiro que tem do Fundo da Amazônia já está comprometido e o restante ainda poderia ser usado. Mas fontes dentro do Ministério do Meio Ambiente admitem que tal lógica vale apenas para aqueles programas já aprovados, uma vez que muitos deles ainda precisam receber parcelas que são liberadas anualmente.

O risco seria para as novas iniciativas que, agora, podem ser engavetadas até que os recursos voltem. Os problemas, porém, podem ser ainda mais profundos nos próximos anos, se o desmatamento continuar. O governo norueguês indicou que o pagamento pode simplesmente desaparecer em 2018 ou 2019 - se o País não atingir as metas de redução de desmatamento.

APÓS RECOMENDAÇÃO DO MP, BA-VI TERÁ TORCIDA ÚNICA NO BARRADÃO...

FONTE: CORREIO DA BAHIA (redacao@correio24horas.com.br).
Clássico será realizado domingo, no feriado de 2 de julho, e só terá venda de ingresso para rubro-negros.
O Ba-Vi do próximo domingo (2/7) terá torcida única. A decisão se dá mediante nova recomendação do 3º Promotor de Justiça do Consumidor, Olímpio Campinho Júnior, atendida pela CBF.
Com isso, o clássico válido pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro terá apenas torcedores do Vitória no Barradão, já que o rubro-negro é mandante do jogo, que terá início às 16h. A venda de ingressos ainda não começou. 

Em nota, a Federação Bahiana de Futebol (FBF) informa que “o Ministério Público da Bahia (MP-BA) encaminhou a recomendação à CBF, que acatou integralmente a solicitação. A entidade nacional repassou à Federação Bahiana de Futebol (FBF), nesta segunda-feira (26), a determinação do cumprimento da medida”.

Também segundo a FBF, a medida será adotada no Ba-Vi válido pelo 2º turno do Brasileirão, que terá mando tricolor e apenas torcedores do Bahia na Fonte Nova. O clássico será pela 30ª rodada, no dia 21 ou 22 de outubro.

A determinação de torcida única no Ba-Vi teve início após a morte de um torcedor do Bahia depois do primeiro clássico do ano, disputado no dia 9 de abril, na Fonte Nova. Os quatro clássicos seguintes, dois pela semifinal da Copa do Nordeste e dois pela final do Campeonato Baiano, tiveram apenas a torcida do clube mandante na arquibancada.

APRENDA A LIDAR COM A RAIVA DE FORMA POSITIVA...

FONTE:, TRIBUNA DA BAHIA.

A raiva pode ocasionar problemas de saúde.
Quando foi a última vez que você sentiu raiva? Lembra o que provocou essa emoção, como você se sentiu e como reagiu diante dela? Foi compatível com o motivo do seu descontentamento?
Refletir sobre esse sentimento, que pode ir de uma irritação leve a uma fúria intensa e devastadora, é o primeiro passo para aprender a lidar de forma positiva com ele.
Não é errado sentir raiva, visto que ela é uma emoção básica humana, assim como a alegria, a tristeza e o medo, por exemplo. Ela surge em diferentes situações: quando nos sentimos injustiçados, envergonhados, humilhados, entre tantas possibilidades.
“Ninguém consegue não sentir raiva. O que muda é a forma como a pessoa interpreta e lida com essa emoção. Quem consegue perceber e interpretar age de forma mais afetiva, sem o vigor que essa emoção tem, sem agredir ou gritar”, diz a psicóloga e neuropsicóloga Carolina Marques.
Segundo ela, a raiva pode ocorrer por fatores internos, externos ou traumas.
O problema é que não temos a cultura de falar sobre sentimentos, principalmente daqueles que não são confortáveis e vistos como ruins, diz Rose Meire Mendes de Almeida, doutora em psicologia social pela Universidade de São Paulo.
“Quando nego ou deixo de elaborar de forma positiva, ela pode se transformar em uma resposta violenta, de apatia, causando danos para fora ou para dentro de mim”, afirma.
Consequências.
A neuropsicóloga explica que, diante da raiva, o cérebro produz cortisol, hormônio liberado em situação de estresse. “Ele gera baixa imunidade, o que pode provocar tudo o que a pessoa estiver predisposta a ter: gastrite, úlcera, alteração na pressão arterial, problemas cardiovasculares e psicológicos”, diz Carolina.
Externamente, a pessoa pode adquirir um comportamento agressivo perante a sociedade. “O maior afetado é a capacidade de estabelecer bons vínculos, porque a pessoa estará sempre em estado de alerta e com medo, em que acaba surgindo a agressividade”, explica Rose Meire.
E sabe aquele amigo que tem o pavio curto? Carolina diz que existem pessoas que tem mais raiva do que outras. “São pessoas que têm tendência a fazer interpretações negativas sobre o mundo e muitas vulnerabilidades internas”, explica. Nesses casos, ela recomenda fazer terapia.
Soluções.
Carolina diz que, quando se está com raiva, é preciso se perguntar: ‘O que estou sentindo é proporcional à situação?’. Refletir sobre o momento, gerenciar de forma positiva a emoção e poder expressar verbalmente o descontentamento são ações importantes, segundo as especialistas.
Rose Meire lembra que é preciso ver a raiva com naturalidade. “Como seres humanos, somos movidos a sentimentos e emoções que não temos controle, mas podemos controlar o que fazer e como se sentir, e vamos adquirindo isso ao longo do tempo”, diz.
Então, seguem algumas dicas das especialistas para lidar melhor com os momentos de raiva:

- Pense antes de falar: embora seja difícil se controlar nessas horas, pare e reflita sobre a situação;

- Expresse a raiva: se ela foi motivada por alguém, diga que não se sentiu bem, que não ficou confortável com a situação ou como gostaria que algo fosse dito ou feito;

- Canalize a raiva: essa emoção libera neurotransmissores como a adrenalina e noradrenalina, que deixam a pessoa com mais energia e disposição. Pratique alguma atividade física, libere a raiva, e hormônios benéficos serão liberados;


- Busque soluções: ao identificar os motivos e as situações em que a raiva surge, é possível pensar em como solucionar os fatores antes que ela apareça.

GOLEIRO DE 17 ANOS MORRE APÓS TENTAR DEFESA E LEVAR BOLADA NO ESTÔMAGO...

FONTE: CORREIO DA BAHIA (redacao@correio24horas.com.br).
Isaias Cañete defendia o Sport Colombia, do Paraguai. Não havia ambulância no estádio no momento do incidente.
O futebol viveu um momento triste neste final de semana. O goleiro Bruno Isaias Cañete, de 17 anos, da equipe sub-18 do Sport Colombia, do Paraguai, morreu depois de levar uma bolada no estômago durante partida da sua equipe contra o Cerro Corá.
Em entrevista à emissora de televisão Telefuturo, o pai do garoto, Christian Cañete, contou como tudo aconteceu.  "[Bruno] Recebeu a bolada ao fazer uma defesa. A sua última defesa. Se levantou e colocou a bola em jogo e caiu... 16 anos, Bruno Isaias Cañete", explicou ele.

Não havia ambulância no estádio no momento do jogo. O pai do goleiro e o treinador do time, Alex Quintana, chegaram a tentar reanimar Bruno até a chegada do Corpo de Bombeiros, que demorou cerca de 40 minutos, mas não conseguiram.
"Espero que isso que aconteceu com meu filho sirva para que os dirigentes do futebol paraguaio levem  mais a sério o futuro do esporte. Porque futuro não é Cerro (Porteño) nem Olimpa, são as categorias de base. Que coloquem o empenho necessário, o que não colocaram", disse. 

Um dos grandes ídolos do futebol paraguaio, o ex-goleiro Chilaver usou as redes sociais para lamentar a morte. "Não havia ambulâncias ou médicos em uma partida oficial da APF. Dirigentes corruptos que não se importam com a vida dos meninos”, publicou Chilavert.

HOMEM TEM ANÉIS DE METAL REMOVIDOS DO PÊNIS APÓS "EXPERIMENTO SEXUAL"...

FONTE: Redação/RedeTV! (http://www.redetv.uol.com.br).


Um homem, identificado apenas como Wirat, precisou da ajuda de médicos e bombeiros para conseguir se livrar anéis de metal que ficaram presos no seu pênis após um "experimento sexual" ter dado errado. O caso ocorreu no último dia 24 de junho, na Tailândia. 

Um dos anéis que Wirat estava usando para sua "técnica" deslizou, de algum jeito não explicado, para a base do órgão - interrompendo a circulação sanguínea e causando dor ao homem.

No hospital, Wirat disse aos médicos que não fazia ideia de como o objeto foi parar em seu órgão, mas depois admitiu que ele mesmo o colocou lá porque queria "tentar algo novo". 
Falhando na tentativa de removerem o metal do pênis, os médicos precisaram chamar os bombeiros para ajudá-los. A brigada chegou com diversos utensílios e alicates para conseguir finalizar o serviço. 
"Tivemos que tomar muito cuidado para não machucar o pênis daquele homem, os anéis estavam muito apertados", contou Luang Watcharapong, um dos socorristas que participou da operação inusitada, à imprensa local. 
Apesar de não ter dado detalhes de como os anéis ficaram entalados, o homem deixou o hospital meia hora após os bombeiros iniciarem o "resgate". "Ele agradeceu e foi embora muito aliviado", declarou Luang.

ANVISA SUSPENDE VENDA E USO DE LOTES DE ANTICONCEPCIONAL GYNERA...

FONTE: Estadão Conteúdo, TRIBUNA DA BAHIA.
Segundo a Anvisa, o anticoncepcional apresentou resultados insatisfatórios em um estudo de estabilidade e foi apontado como classe 3 - "alto risco" - na classificação de risco à saúde.


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou a suspensão em todo o território nacional da distribuição, da comercialização e do uso do anticoncepcional Gynera, produzido pela Bayer.

Segundo a Anvisa, o anticoncepcional apresentou resultados insatisfatórios em um estudo de estabilidade e foi apontado como classe 3 - "alto risco" - na classificação de risco à saúde.

A resolução publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira, 26, vale para 13 lotes do produto e estabelece que a Bayer recolha imediatamente todo o estoque existente no mercado.

O Gynera é um comprimido de uso oral composto pelos hormônios estrogênio (etinilestradiol) e progestógeno (gestodeno).

Ainda conforme a Anvisa, a Bayer promoveu o recolhimento voluntário do produto após os resultados do estudo. Procurada, a empresa ainda não se manifestou sobre a resolução da Anvisa.

COMO ALIVIAR A COCEIRA PROVOCADA PELA PICADA DE MOSQUITO?...

FONTE:, Sara Ferrari, (http://www.msn.com).


Levar uma picada de mosquito é quase sempre um perrengue. Além do risco de doenças como dengue e zika, há ainda as reações provocadas na pele, como vermelhidão, inchaço e, sobretudo, coceira.

O que fazer para aliviar esses sintomas?

De acordo com o dermatologista Claudio Wulkan, da Sociedade Brasileira de Dermatologia, há receitas “caseiras” que produzem um efeito calmante e atenuam a coceira, entre elas aplicar maisena com água ou usar gelo no local da picada. Caso os sintomas não desapareçam em alguns dias, ele ressalta a importância de um tratamento com pomadas à base de corticoide.

Outro conselho é evitar coçar o local, pois as unhas podem causar lesões e, consequentemente, aumentar o risco de infecção.


Muita gente acredita que o complexo B também pode aliviar a coceira, mas segundo Wulkan, isso é mito. Por outro lado, a vitamina pode, sim, ser preventiva, ou seja, evitar as picadas dos bichos. “Para ter efeito de repelente, ele precisa começar a ser tomado quinze dias antes de ir a uma área de risco”, explica o especialista.

UFC: LUTADORA FAZ MUITA FORÇA PARA SAIR DE MATA-LEÃO E DEFECA NO OCTÓGONO...

FONTE: CORREIO DA BAHIA (redacao@correio24horas.com.br).
Justine Kish passou por uma situação inusitada durante o confronto com Felice Herrig no UFC Oklahoma.
O UFC Oklahoma, realizado domingo (25), nos Estados Unidos, teve luta polêmica, arbitragem contestada e nocaute. Mas uma cena 'suja' e inusitada foi o que chamou a atenção. 
Durante a derrota para Felice Herrig, a lutadora Justine Kish se viu em situação complicada ao ser presa pela adversária. Na tentativa de escapar do golpe, Justine fez muita força e acabou defecando no octógono.

"Sou uma guerreira e nunca vou desistir. Merdas acontecem (risos). Volto em breve",  escreveu, com tom de bom humor, em sua conta no Twitter.
Em 2014, o cubano Yoel Romero também sujou o short durante a luta contra Derek Brunson.  Foi possível ver a mancha marrom no short do lutador, mas o cage não chegou a ficar sujo. 

Apesar do incidente, a peso-palha conseguiu escapar do mata-leão e levou o confronto até o terceiro round. Na decisão dos árbitros ela acabou perdendo o confronto.