quinta-feira, 25 de maio de 2017

RISCO DE CÂNCER DE MAMA CRESCE COM APENAS UMA DOSE DE BEBIDA ALCOÓLICA...

FONTE: TRIBUNA DA BAHIA.


A revisão informou que o exercício de alta intensidade, como correr ou andar de bicicleta com uma velocidade alta, diminui o risco do câncer de mama pré-menopausa em 17% e em 10% no pós.

Um copo de vinho todos os dias, ou de qualquer outra bebida com mais de 10 gramas de álcool, aumenta o risco de ter câncer de mama pré e pós-menopausa em 5% e 9%, respectivamente, de acordo com relatório do Instituto Americano para Pesquisas do Câncer (AICR) e do Fundo Mundial de Pesquisas do Câncer (WCRF).
A revisão informou que o exercício de alta intensidade, como correr ou andar de bicicleta com uma velocidade alta, diminui o risco do câncer de mama pré-menopausa em 17% e em 10% no pós.
“Com este relatório abrangente e atualizado, a evidência é clara: ter um estilo de vida fisicamente ativo, manter um peso saudável e limitar o álcool são passos que as mulheres devem tomar para reduzir o risco do câncer”, disse Anne McTiernan, autora principal do relatório.
O texto analisou 119 estudos, somando dados de 12 milhões de mulheres e 260 mil casos da câncer de mama. Veja outros fatores apontados pelo levantamento como risco para o câncer de mama:


Estar acima do peso aumenta o risco de ter câncer de mama pós-menopausa, tipo mais comum.

Mães que amamentaram têm menos risco de contrair o tumor no seio.

Maior ganho de peso durante a vida adulta aumenta a chance de câncer.

O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres, com mais de 252 mil casos por ano. O instituto americano afirma que um em cada três casos poderiam ser evitados com limitação do uso de álcool, atividades físicas e peso saudável.

EXTRATO DE MACONHA REDUZ CONVULSÕES EPILÉPTICAS GRAVES, REVELA ESTUDO...


FONTE:, (http://noticias.uol.com.br).


O CBD (canabidiol) pode reduzir a frequências das convulsões epiléticas graves em 39%, diz estudo

O primeiro teste clínico em grande escala de um derivado da maconha (Cannabis sativa), conhecido como canabidiol, mostrou ser capaz de reduzir a frequências das convulsões epiléticas graves em 39%, informaram os pesquisadores na quarta-feira (24).

O canabidiol (CBD) é derivado da maconha..

O estudo, publicado no New England Journal of Medicine, se concentrou em pacientes jovens com síndrome de Dravet, uma forma rara da epilepsia.

"O canabidiol não deve ser visto como uma panaceia para a epilepsia, mas para os pacientes com formas especialmente graves que não responderam a inúmeros medicamentos, estes resultados dão a esperança de que logo poderemos ter outra opção de tratamento", declarou o pesquisador principal Orrin Devinsky, professor de Neurologia, Neurocirurgia e Psiquiatria no Langone Medical Center, da Universidade de Nova York.

"Ainda precisamos de mais pesquisas, mas este novo teste dá mais provas do que jamais tivemos da efetividade do canabidiol como medicamento para a epilepsia resistente ao tratamento", acrescentou.

Os pesquisadores usaram uma forma líquida experimental do CBD, chamada Epidiolex, que não foi aprovado pela Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos Estados Unidos.

De acordo com o estudo, no grupo tratado com CBD a frequência de convulsões diminuiu em 39%, de uma média de quase 12 convulsões por mês para aproximadamente seis.

DE MAU HÁLITO À IRRITAÇÃO, COMO LIDAR COM 8 DESCONFORTOS DA DIETA...

FONTE: Gabriela Guimarães e Rita Trevisan, Colaboração para o UOL,  (http://estilo.uol.com.br).


Mau hálito, sensação de cansaço e muita irritação. Esses e outros incômodos são comuns -- e até esperados -- nas primeiras semanas de dieta. Felizmente, há estratégias para amenizá-los, até que o corpo se adapte à nova rotina alimentar.

Fontes consultadas: Sara Bragança, médica especializada em terapia ortomolecular e emagrecimento. Natasha Barros, nutricionista, membro do IFBB – International Federation of Body Building e da IBNF – Instituto Brasileiro de Nutrição Funcional.

Falta de energia.
O sintoma é muito comum nos primeiros dias de uma dieta que reduz drasticamente o consumo de carboidratos. A estratégia é eficiente para a perda de peso, mas nem todas as pessoas conseguem se adaptar. Para amenizar o sintoma, vale inserir apenas carboidratos complexos na alimentação, como batata-doce, aipim e arroz integral -- ainda que em quantidade menor, para não prejudicar o objetivo final da dieta. Mas, se mesmo assim o incômodo não sumir entre a primeira e a segunda semana, o ideal é buscar a orientação do nutricionista, para evitar prejuízos à saúde.

Mau hálito.
Quando o corpo começa a usar as gorduras como a principal fonte de energia, na ausência de carboidratos, o mau hálito aparece. Também é por conta dessa mudança que o suor e o xixi ficam com cheiro mais forte. Para lidar com esse desconforto, a dica é beber bastante água. A ideia é que boa parte da cetose acumulada -- o agente causador dos maus odores -- seja eliminada pela urina. Outra orientação é fazer as refeições de três em três horas, religiosamente, o que ajuda a amenizar o mau hálito.

Irritação.
Como a comida é muito associada ao prazer, é normal que, principalmente nos primeiros dias da dieta, o humor fique instável. Além disso, alguns alimentos altamente calóricos -- como o chocolate, cortado da maioria dos cardápios durante o regime -- que promovem a liberação de substâncias ligadas à sensação de bem-estar e relaxamento. Para persistir na dieta e não ser vítima da irritação, pegar firme nos exercícios é uma alternativa. Depois da atividade, o corpo costuma experimentar sensação parecida com a que vem após o consumo de chocolate.

Intestino preso.
Pode ser um reflexo do aumento de proteínas na dieta, quando a intenção é perder gordura e fazer crescer os músculos - as proteínas são alimentos de digestão mais lenta. Como se não bastasse, a redução de gorduras e carboidratos das refeições também diminui o volume do bolo fecal, dificultando o esvaziamento do intestino. Para minimizar esse efeito, é preciso aumentar o consumo de fibras -- presentes em frutas, verduras, legumes e cereais integrais -- e de água. Alimentos probióticos, como iogurtes, também melhoram o funcionamento do intestino.

Muita vontade de fazer xixi.
Dietas desintoxicantes combatem a retenção de líquido e vão estimular a eliminação de toxinas por meio da urina. O sintoma também é decorrente de uma dieta com baixo consumo de carboidratos. O que acontece é que a glicose armazenada no fígado e nos músculos começa a ser queimada e, na quebra dessas moléculas, que contêm água, todo o líquido é automaticamente eliminado. A vontade de fazer xixi deve ser encarada como um sinal de alerta se estiver atrapalhando a rotina --a ponto de você não conseguir realizar todas as tarefas por conta das constantes idas ao banheiro. Nesse caso, será preciso avaliar se o regime escolhido não está sobrecarregando os rins. O que os especialistas afirmam é que, em geral, quanto mais clarinha a urina, menos motivos há para se preocupar com ela.

Aumento dos gases.
Ao comer mais proteínas --carnes, ovos e whey protein-- os gases, naturalmente, aumentam. Se necessário, a recomendação é consumir alimentos probióticos, que equilibram o funcionamento intestinal. Outras mudanças de hábito dão uma forcinha aos intestinos: mastigar bem os alimentos, aumentar o tempo de cozimento deles e reduzir as porções em cada refeição. Se, mesmo depois de adotadas todas essas medidas, a flatulência continuar a incomodar, será preciso investigar: o sintoma pode indicar um desequilíbrio conhecido como disbiose, que causa também a deficiência na absorção de vitaminas.

Dores de cabeça.
Podem estar ligadas ao baixo consumo de carboidratos, que fornecem energia, o combustível que o corpo está acostumado a usar para suas atividades vitais, incluindo as cognitivas. Por isso, nas primeiras duas semanas da dieta, pode-se notar lentidão mental, dificuldade de concentração e até dores de cabeça. Ao fazer muito xixi, perde-se minerais como o potássio e o magnésio, um fator também associado ao incômodo. Consumir alimentos ricos nesses dois minerais é a recomendação dos nutricionistas: derivados do leite, folhas verde-escuras e banana são alguns exemplos.

Compulsão por doces.

Também é uma consequência esperada da mudança que a dieta promove no organismo, quando o corpo começa a usar a gordura como fonte de energia, em vez do carboidrato. O normal é que o desconforto suma -- ou se torne muito mais fácil de lidar -- com a adaptação, que pode levar de uma a duas semanas. O consumo de alimentos ricos em fibras e gorduras boas, nesse período, costuma ser estratégia eficiente para sobreviver à compulsão e conseguir dar continuidade à dieta. Alimentos como abacate, castanhas, coco e azeite, por exemplo, podem ser adicionados ao cardápio, em quantidades prescritas pelo nutricionista. 

A VOVÓ ESTAVA CERTA: DEIXAR FEIJÃO DE MOLHO É BOM PARA SAÚDE, INDICA ESTUDO...

FONTE: Do UOL, em São Paulo (http://noticias.uol.com.br).



Deixar o feijão de molho de um dia para o outro, antes de cozinhá-lo pela manhã, era algo recorrente na casa das avós. A prática, conhecida como "remolho", tirava do feijão substâncias que poderiam, por exemplo, dar gases.

O hábito, que foi sendo deixado para trás, é mesmo benéfico para a saúde, segundo especialistas do Centro de Pesquisa em Alimentos da USP (Universidade de São Paulo) e da da Embrapa Arroz e Feijão.

Quando os grãos de feijão ficam de molho entre 8 e 12 horas, além de acelerar a etapa de cozimento por conta da pré-hidratação, é possível eliminar --ou dissolver-- alguns componentes considerados antinutricionais.

Outros componentes, responsáveis pelo desconforto abdominal e pela formação de gases e flatulência após o consumo do grão, também podem ser eliminados pelo "remolho". É o caso da rafinose e da estaquiose, oligossacarídeos que em vez de serem digeridos são fermentados no intestino grosso.

"Como são moléculas relativamente pequenas, a penetração da água e a solubilização podem reduzir os níveis desses oligossacarídeos, contribuindo assim para diminuir a ocorrência ou a intensidade do desconforto abdominal", explica o professor João Roberto Oliveira do Nascimento, pesquisador do Centro de Pesquisa em Alimentos da USP.

Segundo os pesquisadores, a redução de alguns componentes antinutricionais também pode facilitar a assimilação de determinados nutrientes do grão, especialmente os minerais e as proteínas.

A proteína ou o mineral estão presos a esses compostos fenólicos e a esses fitatos. Assim, não ficam acessíveis para o organismo. Grosso modo, é como se esses antinutrientes sequestrassem os minerais e as proteínas, tornando-os não disponíveis para o nosso processo digestivo."
Priscila Bassinello, da Embrapa
Nem tudo que a vovó faz está certo.

Além de deixar o feijão de molho por várias horas, os antigos tinham o costume de usar a própria água do remolho para cozinhar o alimento.


As pesquisas, no entanto, mostraram que trocar esta água é mais vantajoso nutricionalmente do que cozer o alimento na própria água de remolho.

VISTA EMBAÇADA MOSTRA PROBLEMAS GRAVES...

FONTE: TRIBUNA DA BAHIA.


No grupo de risco estão altos míopes, pessoas que tem histórico familiar, portadores de degenerações na periferia da retina e pacientes que tenham sofrido algum tipo de trauma ocular.

Vista embaçada pode estar relacionada com problemas graves de saúde. A vista embaçada pode ter relação com: deslocamento de retina, olho seco, diabetes, catarata, glaucoma, inflamação do olho, crise hipertensa. O descolamento não tem prevenção e costuma ser uma consequência do descolamento do vítreo, uma espécie de gelatina transparente que preenche o globo ocular e sustenta a retina.
No grupo de risco estão altos míopes, pessoas que tem histórico familiar, portadores de degenerações na periferia da retina e pacientes que tenham sofrido algum tipo de trauma ocular. Entre os sinais estão a visão embaçada, sem nitidez, flashes de luz, manchas na visão e a redução do campo de visão.
O oftalmologista Miguel Padilha falou sobre o glaucoma, que é a segunda causa de cegueira no mundo. Uma situação irreversível, mas que se diagnosticada e tratada a tempo, afasta o fantasma da cegueira. O glaucoma acomete cerca de 4% da população acima dos 40 anos e não costuma dar sinais. É mais comum entre pessoas afrodescendentes, míopes, diabéticas, usuárias de cortisonas, em famílias onde há histórico de glaucoma entre os membros.
O olho seco que causa embaçamento transitório costuma ser solucionado com a própria piscada, que lubrifica os olhos. Porém, em algumas situações o olho seco pode permanecer por mais tempo e incomodar muito, sendo necessário uso de colírio lubrificante ou soro fisiológico.

O olho seco é comum em mulheres após a menopausa, como explicou o oftalmologista Emerson Castro.
Para aliviar o olho seco, os oftalmologistas dão algumas dicas: usar colírio lubrificante, soro fisiológico várias vezes ao dia, fazer compressa de água fria e fazer uma dieta com bastante peixes ricos em gordura, como salmão e sardinha. Para o tratamento, use umidificador e lembre-se de piscar em frente dos aparelhos de TV. Evite ar condicionado e ventilador diretamente no olho.

QUANDO A DIETA DETOX É UM RISCO? MÉTODOS ESTIMULAM DIARREIA E VÔMITOS...

FONTE: Helena Bertho, do UOL, em São Paulo (http://estilo.uol.com.br).


Andou comendo ou bebendo demais, ganhou uns quilos? Para muita gente, fazer uma dieta detox é uma saída para "limpar" o organismo. Mas alerta: nem sempre elas têm resultado e, ainda por cima, podem até fazer mal.

"Alguns órgãos no nosso corpo, como o fígado e rins, que são responsáveis por livrar o corpo de toxinas. E existem alimentos que podem ajudar o metabolismo e esses órgãos a funcionar melhor, mas as chamadas dietas detox vão no caminho contrário e podem trazer riscos à saúde pois são extremamente restritivas, levando à perda de massa muscular e nutrientes importantes", explica a nutricionista Lara Natacci, membro da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição.

Ela e a médica nutróloga do hospital Albert Einstein, Andrea Pereira, analisaram alguns dos detox mais populares e os prejuízos que eles podem trazer à saúde. 

Confira:
1 - Detox com efeito laxante.
O detox da limpeza da vesícula e do fígado é baseado em um livro de um médico alemão, prometendo eliminar de forma natural as pedras da vesícula. O procedimento dura uma semana, envolvendo cinco dias de alimentação sem produtos de origem animal e com consumo de suco de maçã, seguidos de jejum nos dois últimos dia e apenas a ingestão de sulfato de magnésio combinado com altas quantidades de azeite e limão para provocar diarreias. Para ambas as especialistas, usar substâncias laxativas por conta é algo extremamente perigoso. "Isso irrita a mucosa intestinal e provoca inflamação, aumentando os riscos de câncer", diz Andrea Pereira. Ela completa: "Além disso, pode levar à desidratação, que é muito nociva". O uso indiscriminado de laxantes também altera a microbiota intestinal, e como resultado, desregula o funcionamento do intestino.

2 - Detox da Ayuverda com indução de vômito.
A Panchakarma, detox da Ayuverda, é um tratamento da medicina oriental que tem como objetivo eliminar toxinas e reestabelecer o equilíbrio do corpo. É baseado em cinco passos: vômitos, diarreia, enema (lavagem do intestino), limpeza nasal e limpeza do sangue (através da retirada de um pouco de sangue ou de chás). "Provocar vômito nunca é saudável, nosso esôfago e nossa boca não estão preparados para receber o ácido do estômago, além de poder estimular diversos distúrbios alimentares", diz Andrea sobre a prática. Ela também considera a diarreia arriscada, como explicado antes, e acredita que o enema não tem efeito de desintoxicação. "Quando você evacua, elimina tudo que está no intestino. Não ficam toxinas retidas ali".

3 - Dieta a base de líquidos.
Passar um período, mesmo que poucos dias, ingerindo apenas sucos ou sopas pode levar à deficiência de nutrientes importantes para o corpo. "Além disso, a mastigação é importante, ela dá saciedade e estimula o intestino a funcionar", reforça Andrea. E uma pesquisa da Universidade Federal de Viçosa ainda mostrou que a dieta líquida pode fazer com que você coma ainda mais colorias depois, tendo o efeito contrário da desintoxicação.

4 - Só limão e água por três dias.
Queridinho de quem está querendo se cuidar e emagrecer, o limão é benéfico para a saúde, pois tem vitamina C e fibras, mas passar vários dias ingerindo apenas ele é perigoso. "Ele não tem tudo que o corpo precisa, pode levar a perda de massa muscular" diz Lara, explicando que é comum que o corpo, após perder músculos, recupere o peso em forma de gordura e isso é prejudicial. Ela também lembra que o limão pode fazer mal para o estômago de algumas pessoas.

5 - Fazer jejum por conta própria.

O resultado do jejum, durante um ou mais dias, pode ser exatamente o contrário. "O corpo precisa de alimentos para exercer suas funções. Se você não come, seu organismo vai tentar compensar e pode trabalhar até de forma mais lenta", diz Lara Natacci. Ela ainda reforça que o jejum pode levar à hipoglicemia, com mal-estar, tontura e desmaios. "Se for uma pessoa mais velha ou com alguma doença, pode levar ao coma", completa Andrea Pereira. Alguns médicos recomendam o método do jejum intermitente associado à uma alimentação equilibrada para alguns perfis de pacientes, como aqueles que tem resistência à insulina, mas nesse caso é o profissional de saúde que deve orientar o paciente.

MULHER É PRESA APÓS SE FILMAR TENDO RELAÇÕES SEXUAIS COM DOIS JOVENS DE 14 ANOS...

FONTE: Redação/RedeTV! (http://www.redetv.uol.com.br).


Uma inglesa foi julgada recentemente e condenada a dois anos e meio de prisão por manter relações sexuais com dois adolescentes de 14 anos. O caso aconteceu em 2008, mas chegou apenas a conhecimento das autoridades de autoridades em 2015.
De acordo com informações do site inglês "Daily Mail", Beverley Tillyer, de 40 anos, convidava adolescentes para sua casa e os seduzia com álcool e drogas durante festas organizadas por ela. Beverley chegou a ter relações com um dos jovens em seis ocasiões diferentes e duas vezes com o outro. Em um dos momentos, a mulher se gravou fazendo sexo a três com os adolescentes.

Juiz responsável pelo caso, James Spencer acusou Tilleyer de ter se aproveitado dos meninos. "É claro que eles tiveram participação, mas você era a adulta. O adulto tem que cuidar das crianças, mesmo quando eles têm 14 anos e pensam que sabem tudo", afirmou.

Assim que foi presa e autuada, Beverly negou as acusações de abuso sexual e afirmou ter sido estuprada pelos jovens. Mais tarde, a mulher voltou atrás e assumiu as acusações. 

INSTITUTO DE CEGOS CHAMA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO DO GLAUCOMA; SHOPPINGS FAZEM EXAME DE GRAÇA...

FONTE: CORREIO DA BAHIA (redacao@correio24horas.com.br).

Acompanhamento evita que problemas dos olhos se agravem e acabem resultando em cegueira, que poderia ser evitada em cerca de 80% dos casos.
Esta sexta-feira (26) é o Dia Mundial de Combate ao Glaucoma, doença que afeta grande parte da população mundial e preocupa pelas consequências irreversíveis se não for tratada corretamente. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), de 1% a 2% da população mundial apresenta algum tipo de glaucoma e o Brasil já registra mais de 1 milhão de casos.

O diagnóstico precoce, acompanhado de um tratamento específico, é a estratégia para conter o avanço do glaucoma, que é uma doença assintomática e pode levar o paciente à perda de visão.
É o exame que aponta uma pressão ocular alta ou uma irregularidade na anatomia do nervo óptico que detecta o glaucoma. A oftalmologista e coordenadora Médica do Instituto de Cegos da Bahia, Dra. Fátima Neri, alerta que consultas de rotina podem identificar o problema em fase inicial e ajudar no tratamento.
“Com a tecnologia e avanços na medicina, os tratamentos se tornaram mais eficazes evitando os casos de cegueira. No entanto, exames regulares, principalmente após os 40 anos, e hábitos saudáveis são as melhores soluções para detectar eventuais aparições do glaucoma”, conta a Dra. Fátima.
Na Bahia, o Instituto de Cegos (ICB-Ba) - organização sem fins lucrativos que ampara pessoas com deficiência visual de todas as idades – realiza atendimento gratuito através de vários centros como o de Intervenção Precoce (CIP), que presta serviço na área de prevenção, habilitação e reabilitação de crianças com deficiência visual, na faixa etária de 0 a 5 anos e 11 meses, além do Centro Médico Oftalmológico (CMO), que oferece consultas médicas à população, sem restrição de idade.
“Nosso maior objetivo é a inclusão da pessoa com deficiência visual na sociedade como cidadão de direitos e deveres”, afirma a presidente do ICB, Heliana Diniz. Para ela, campanhas como o Dia Mundial de Combate ao Glaucoma são importantes para conscientizar a população sobre a necessidade de acompanhamento médico especializado, para evitar que os problemas dos olhos se agravem e acabem resultando em cegueira, que poderia ser evitada em cerca de 80% dos casos.
Apesar da gravidade, hoje o glaucoma pode ser tratado com sucesso, tanto com drogas como por meio de laser e cirurgias até de implante de válvulas na região afetada. “Mas a conscientização da população sobre o diagnóstico precoce e difusão das informações sobre o glaucoma são fundamentais”, finaliza Dra. Fátima.
Atendimento de graça.
Os shoppings Center Lapa e Salvador Shopping receberão equipes que farão, gratuitamente, exames para detecção da doença e encaminhamento para tratamentos.
No Center Lapa a Pró Oftalmo oferece exames gratuitos à população baiana. A Semana de Combate ao Glaucoma, que acontece até o próximo sábado (27), no piso L3 do shopping (próximo à Ortobom), vai realizar o exame de tonometria. O procedimento que mede a pressão intra-ocular é fundamental para o diagnóstico da doença na população acima de 18 anos.
Além de fazer os exames para detectar o glaucoma, o paciente será encaminhado para tratamento, se confirmada à doença. Os atendimentos serão feitos das 9h às 18h, por ordem de chegada.
Já no Salvador Shopping,  o DayHORC vai atender até o dia 26 de maio, das 9h às 20h, a campanha “Glaucoma Day – Cegueira , tô fora!”. A ação de utilidade pública tem com objetivo conscientizar os soteropolitanos sobre a importância da detecção precoce da doença. O atendimento ao público será feito no Piso L1 do empreendimento, em frente à loja BMart.
A iniciativa vai orientar e divulgar a doença, conscientizar da importância de se consultar com especialistas para o diagnóstico precoce e indicações para o tratamento. A ação vai oferecer a tonometria, que mede a pressão intraocular do paciente e é indolor.

O DayHORC também vai disponibilizar no local um óculos no qual o paciente consegue perceber em 3D a perda de campo visual progressiva que a doença causa. Para realizar as análises é necessário apresentar documento oficial com foto.

BEBER CAFÉ EM EXCESSO PODE MESMO MATAR? CIÊNCIA EXPLICA...

FONTE:, Giovana Feix (http://www.msn.com).
Café em excesso
© Fornecido por Abril Comunicações S.A. Café em excesso

No último mês, os Estados Unidos ficaram chocados com a morte de um adolescente de 16 anos após uma “overdose” de cafeína. O mais impressionante de tudo? Ele só tinha ingerido, em um período de duas horas, três bebidas cafeinadas: um café com leite, um refrigerante e um energético.

Isso deixou muita gente se perguntando quantos cafés deveríamos tomar em um dia só.

Afinal de contas, vamos combinar: o número três nunca gerou preocupação, no nosso termômetro mental sobre cafeína. Tem gente que toma mais de cinco xícaras por dia e está muito bem, obrigada.
Pensando na nossa saúde, porém, é interessante entendermos o ponto em que o consumo dessa substância pode ser tornar perigoso.

A verdade é que a cafeína ainda é uma substância um tanto misteriosa para a ciência. Segundo a revista The Atlantic, por exemplo, sabe-se que ela surge nas plantas para espantar insetos e animais herbívoros e que pode ser usada em diferentes funções na medicina. Mas, quando o assunto é este limite diário, ainda são levemente nebulosas as conclusões.

“A cafeína, o álcool e a maconha são drogas recreativas”, explica o toxicologista sueco Alex Wayne Jones em entrevista ao Vox, site norte-americano. “E a mais segura entre todas elas é a cafeína”. Mesmo assim, é preciso prestar atenção.

Desde 2003, é de 400 mg (cerca de 3 xícaras de 150 ml de café) o limite de cafeína diária respaldado com mais força pela ciência – e Esther Myers, do Life Science Institute, resolveu recentemente verificar se este número deveria ser mantido. Ela examinou cerca de 700 estudos na área e descobriu que, na verdade, o limite de cafeína diária é bastante relativo.

“Há uma grande variabilidade de pessoa para pessoa quanto à resposta do corpo à cafeína”, esclarece Myers em entrevista à The Atlantic. “Isso é uma das lacunas em minha pesquisa. Nós precisamos identificar melhor as diferenças entre as pessoas para conseguir identificar quem é mais sensível”.

Em média, portanto, 400 mg de cafeína é uma quantidade segura – mas nem sempre é o caso. Para pessoas que não têm o costume de tomar café, por exemplo, podem surgir reações adversas, como o nervosismo ou a insônia.

Em seu estudo, o toxicologista  Alex Wayne Jones descobriu que apenas 51 mortes causadas pela cafeína foram registradas entre 1959 e 2010. Ou seja: são raríssimos os casos.

As complicações de saúde ligadas à substância, segundo o mesmo levantamento, também são raras. Quando consumida de forma líquida, ela não é tão perigosa quanto parece.

No caso do garoto norte-americano que morreu recentemente, é provável que seja a combinação entre a cafeína e outros elementos presentes nos energéticos o que causou a morte.


Mas de uma coisa a gente sabe: cuidado nunca é demais, né?

NÚMEROS DE DIABETES CRESCERAM MAIS DE 60% NOS ÚLTIMOS 10 ANOS...

FONTE: TRIBUNA DA BAHIA.

O maior registro, entretanto, é na população com 65 anos ou mais, que apresenta índice de 27,2%.

O número de brasileiros diagnosticados com diabetes cresceu 61,8% nos últimos 10 anos, passando de 5,5% da população em 2006 para 8,9% em 2016. A pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), divulgada pelo Ministério da Saúde, revela ainda que as mulheres registram a maioria dos diagnósticos da doença. 
O levantamento revela ainda que, no Brasil, o indicador de diabetes aumenta com a idade. Nas pessoas com idade entre 18 e 24 anos, por exemplo, o índice é de 0,9%. Já entre brasileiros de 35 a 44 anos, o índice é de 5,2% e, entre os com idade de 55 a 64 anos, o número chega a 19,6%. O maior registro, entretanto, é na população com 65 anos ou mais, que apresenta índice de 27,2%. 
A diabetes é uma doença metabólica que se caracteriza por um aumento anormal dos níveis de glicose no sangue, devido a problemas na produção ou ação da insulina, hormônio produzido pelo pâncreas e que tem como principal função regular os níveis de açúcar no organismo.Sabidamente, o exercício físico feito de maneira regular e bem orientado é hoje, o principal fator na prevenção de diversas doenças, incluindo o diabetes. 
Mas, mesmo para aqueles que já desenvolveram a doença, a atividade física em algum momento da evolução do paciente vai fazer parte do tratamento. O exercício físico influencia na melhora do aproveitamento da glicose pelos músculos, reduzindo muitas vezes as doses dos medicamentos utilizados e ajudando a prevenir problemas associados ao diabetes, como alterações na retina, vasos sanguíneos, nervos, rins e coração. 
“Se considerarmos o exercício físico como um ‘medicamento’ a ser utilizado pelo diabético, ele terá uma ‘dose ideal’ para cada pessoa. Genericamente, recomenda-se que sejam realizados exercícios de 30 a 60 minutos por dia, ao menos três vezes por semana, de intensidade leve a moderada. Mas cada pessoa segue seu corpo e tem uma indicação individualizada”, explica o coordenador técnico e educador físico Igor Castro, da Rede Alpha Fitness. 

“O importante mesmo é se manter ativo e ao longo dos anos a gente vem percebendo que esse investimento em qualidade de vida tem ajudado a prevenir e combater muitas doenças, como é o caso da diabetes, que tem crescido assustadoramente no Brasil”, conclui.

MÃE QUE ACOMPANHOU O FILHO QUADRIPLÉGICO EM TODAS AS AULAS DE MBA RECEBE DIPLOMA HONORÁRIO...

FONTE: Redação/RedeTV! (http://www.redetv.uol.com.br).


Uma mãe que acompanhou todas as aulas do MBA do seu filho, um ex-atleta que ficou quadriplégico após um acidente, recebeu um diploma honorário da Universidade de Chapmam, em Orange, na Califórnia (EUA). 
Marty O'Connor caiu de um lance de escadas em 2012 e ficou paralisado do pescoço para baixo. Nos anos que se passaram, enquanto tentava se adaptar à doença, Marty decidiu fazer um curso de MBA: "Eu não tinha uma direção. Eu estava me dedicando aos exercícios de fisioterapia cinco vezes por semana." 
Como não podia usar as mãos para fazer anotações, foi a ajuda de sua mãe, Judy, que se provou essencial. Uma professora aposentada, ela estava dando aulas na Flórida quando o filho se matriculou. Obstinada a ajudá-lo, ela se mudou para a Califórnia e assistiu a todas as aulas do seu lado. "Eu sou uma nerd, eu adoro a escola. Eu não vou mentir. Eu aproveitei todos os minutos", ela afirmou em entrevista ao blog da universidade. 
Na semana passada, enquanto empurrava a cadeira de rodas do filho na cerimônia de graduação, ela foi surpreendida com um diploma honorário. E foi ideia de seu filho. 
Agora, Marty se prepara para começar um emprego em uma startup de esportes.

BRASIL INICIA EM JULHO TESTES EM ADOLESCENTES COM MEDICAMENTO QUE PREVINE O HIV...

FONTE: ***, (http://noticias.uol.com.br).

Brasília - Começa em julho em três capitais o primeiro estudo brasileiro para avaliar entre adolescentes o uso da Profilaxia Pré-exposição (PrEP), medicamento que poderia reduzir o contágio de HIV. Feito em parceria do governo brasileiro com a organização Unitaid, o trabalho pretende avaliar a eficácia do tratamento entre jovens de 15 a 18 anos integrantes do grupo de maior risco, como garotos gays e bissexuais e mulheres transexuais. Os estudos feitos até agora avaliaram o impacto da profilaxia em adultos.

A pesquisa será conduzida em São Paulo, Salvador e Belo Horizonte. Segundo a diretora do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, do Ministério da Saúde, Adele Benzaken, afirmou que dois mil adolescentes serão acompanhados. "O estudo vai observar vários pontos: a adesão do grupo ao tratamento e, sobretudo, os efeitos que o uso contínuo do medicamento pode apresentar na população dessa faixa etária", disse.

Pesquisas feitas até o momento indicam que a PrEP tem efeitos colaterais limitados entre adultos, como náuseas e, em alguns casos, alterações da função renal. "Mesmo diante da constatação do risco da alteração na função renal, não foi recomendada a interrupção do tratamento, por causa da proteção apresentada", disse Adele.

O que pesquisadores vão avaliar nessa nova etapa é se essas reações se repetem na população mais jovem. "Mas, da mesma forma que adultos, a recomendação é de que as demais estratégias de prevenção não sejam interrompidas", disse Adele. Isso significa não abandonar o uso de camisinha, fazer testes periódicos para HIV e, eventualmente, o uso da terapia pós-exposição, recomendada quando a pessoa enfrentou uma situação de risco de contágio, como relações sexuais desprotegidas.

Entre adultos, cinco estudos foram feitos no Brasil para avaliar se a PrEP poderia trazer benefícios. Os trabalhos foram conduzidos ao longo dos últimos cinco anos. A precaução se explica: o tratamento é ofertado para pessoas saudáveis de grupos considerados de maior risco para o HIV, mas saudáveis. Há, por isso, a necessidade de se avaliar até que ponto vale a pena essas pessoas se submeterem ao uso diário de remédios.

Os estudos apontados até agora indicam que a estratégia é válida para os grupos considerados de maior risco. No Brasil, são registrados 0,4 casos de HIV a cada 100 mil habitantes. Em alguns casos, no entanto, a taxa é mais expressiva, como pessoas que se prostituem e homens gays e bissexuais. Embora o risco seja alto entre dependentes químicos, a PrEP não será ofertada para o grupo.

"Isso será feito de forma indireta. Caso o profissional do sexo faça uso de drogas, o tratamento será ofertado", completou. De acordo com Adele, dependentes químicos não foram incorporados por falta de estudos específicos com essa população.


*** Lígia Formenti.

IPHONE MAIS BARATO É ELEITO O MELHOR EM PESQUISA NOS EUA...

FONTE: CORREIO DA BAHIA (redacao@correio24horas.com.br).

iPhone SE foi lançado em 2016 e chegou ao Brasil em abril.


O iPhone SE é o smartphone preferido entre os norte-americanos. Pesquisa realizada pelo American Customer Satisfaction Index, publicado terça-feira (23), mostra que o celular, entre os mais baratos da Apple, teve 87 pontos de 100 totais na lista dos aparelhos preferidos do público. Em segundo lugar, ficaram o iPhone 7 Plus, seguido do Galaxy S6 Edge Plus, ambos com 86 pontos.
Celulares da Apple e Samsung dominam o top 10. O estudo ouviu 36,2 mil consumidores, nos últimos 12 meses. Foram atribuidos pontos às opiniões dos entrevistados para tópicos diversos. 
Confira o top 10 com suas respectivas pontuações:
iPhone SE – 87 pontos
Galaxy S6 Edge Plus – 86 pontos
iPhone 7 Plus – 86 pontos
Galaxy S6 Edge – 85 pontos
Galaxy S7 – 84 pontos
Galaxy S7 Edge – 84 pontos
iPhone 6 Plus – 83 pontos
iPhone 6S Plus – 83 pontos
iPhone 7 – 83 pontos
Galaxy Note 5 – 82 pontos
Segundo o site Techtudo, o iPhone SE foi lançado em 2016 e chegou ao Brasil em abril, custando R$ 2.699 na versão mais barata, com 16 GB de memória, e R$ 2.999 com 64 GB. Em março de 2017, a Apple aumentou a capacidade do aparelho, que agora é vendido por R$ 2.499, de 32 GB, e R$ 2.899, o de 128 GB.

CIENTISTAS ACHARAM UMA FORMA DE EVITAR O GANHO DE PESO DEPOIS DA MENOPAUSA...

FONTE: Do UOL, em São Paulo (http://noticias.uol.com.br).


Pesquisadores encontraram uma maneira de evitar o aumento de peso em mulheres após a menopausa. A descoberta, publicada nesta quarta na revista Nature, envolve um anticorpo que foi testado com eficácia em um rato como modelo de menopausa.

O anticorpo foi capaz de aumentar o ganho de massa óssea e reduzir a gordura corporal. Isso resolveria dois problemas femininos de uma vez só, já que a menopausa pode trazer osteoporose e ganho de peso, levando à obesidade.

A equipe de cientistas liderada por Mone Zaidi, da Icahn Escola de Medicina de Nova York, mostrou como tratamento com um anticorpo contra parte de um hormônio conseguiu aumentar o ganho de massa óssea e reduzir a adiposidade em ratos que tiveram seus ovários removidos.

O tratamento com anticorpo também reduziu a adiposidade em ratos normais que eram alimentados com uma dieta altamente gordurosa. Os animais tratados dessa maneira tiveram aumento em seu consumo de oxigênio, na sua atividade física e na termogênese (produção de calor) a partir de gordura marrom e branca.

Tratamentos atuais contra a obesidade, que têm a tendência de reduzir apetite ou bloquear absorções de nutrientes, têm eficácia limitada e causam efeitos adversos.

Os autores do estudo sugerem que uma versão para humanos do teste pode ser de uso potencial em outras condições envolvendo adiposidade visceral, como síndrome metabólica, doença cardiovascular, câncer, diabetes e doença do ovário policístico.


Contudo, serão necessárias mais pesquisas para determinar se os resultados obtidos com ratos podem se repetir com humanos.