segunda-feira, 21 de agosto de 2017

COM QUE FREQUÊNCIA VOCÊ FAZ SEXO? ESTUDO REVELA QUAL É A MÉDIA POR IDADE...

FONTE: Bárbara Tavares, Do UOL, (http://estilo.uol.com.br).


Não existe uma “quantidade ideal” de relações sexuais que cada um tem ou deve ter. Se você já se perguntou, no entanto, com que frequência as pessoas fazem sexo, um estudo do Kinsey Institute, da Universidade de Indiana, tem a resposta.

Como esperado, a maior frequência está em pessoas entre 18 e 29 anos: elas praticam sexo, em média, 112 vezes ao ano, cerca de 2 a 3 vezes por semana. Dos 30 aos 39, o número cai para 86 vezes por ano, cerca de 1 a 2 vezes na semana. Já no grupo dos 40 aos 49 anos, a frequência é de 69 vezes ao ano, ou pouco mais de 1 vez por semana.

Na balança.

Fatores como idade, estado civil, condições físicas e de saúde influem nesse aspecto. “A conclusão que podemos tirar desses estudos é que, à medida que envelhecemos, nossas chances de desenvolver condições de saúde crônicas aumentam e isso, por sua vez, tem um impacto negativo na frequência e na qualidade das atividades sexuais”, explica o Dr. Justin Lehmiller, do Kinsey Institute.

O estado civil de cada pessoa também é determinante para a frequência sexual. Entre pessoas casadas, 34% fazem sexo 2 a 3 vezes por semana, 45% praticam algumas vezes por mês, e 13% têm relações sexuais apenas algumas vezes no ano.

Feeling sexy.


É importante ressaltar que os resultados da pesquisa não devem ser alarmantes para ninguém. Outro estudo divulgado pelo Daily Mail, por exemplo, revelou que as mulheres se sentem mais sexy e atraentes na casa dos 30. 

Cerca de 64% delas disseram que a confiança veio com a idade. 

Ou seja, mesmo que você esteja fazendo menos sexo que a média com o passar dos anos, isso não significa que esse sexo não seja melhor e com mais qualidade.

CASOS DE ESTUPROS COLETIVOS DOBRAM EM 5 ANOS NO BRASIL...

FONTE: Tribuna da Bahia, Salvador, , (http://www.tribunadabahia.com.br).

Informações do Ministério da Saúde revelam que se registra mais de dez crimes do tipo por dia.


Segundo dados do Ministério da Saúde, divulgados ontem (20) pelo jornal Folha de S.Paulo, o número de notificações de estupros coletivos – registrado pelos hospitais que atendem as vítimas –mais do que dobrou desde 2011, passando de 1 570 para 3 526, em 2016.
Trata-se da primeira vez em que se capta o crescimento desse crime no Brasil. Isso porque, na polícia esse tipo de violência sexual, praticada por mais de um agressor, usualmente não era contabilizado em separado de outros casos de estupro. Desde 2011, entretanto, tornou-se obrigatória a notificação por parte de serviços de saúde, públicos ou privados, como hospitais. As informações passaram a ser agrupadas pelo ministério.

Os estados Acre, Tocantins e Distrito Federal lideram as taxas de estupro coletivo por cem mil habitantes, com 4,41, 4,31 e 4,23, respectivamente. Esse tipo de crime representa hoje 15% dos casos de estupro atendidos pelos hospitais. Com informações da redação da Veja.

MENSTRUAR TODO MÊS: PRECISA MESMO? VEJA O QUE FAZER SE QUISER PARAR...

FONTE: Natacha Cortêz, Do UOL, (http://estilo.uol.com.br).

Menstruação é um tema tabu. Divide opiniões, mulheres e médicos. Há quem só enxergue nela cólica, sujeira e alterações de humor, há quem veja conexão, autoconhecimento e um processo, acima de tudo, natural. Mas, é preciso mesmo menstruar todo santo mês?

De acordo com a medicina, “precisar” não seria o verbo mais adequado aqui. Suspender sua menstruação, seja por alguns meses ou até cinco anos ininterruptos (dá para fazer isso com o DIU de Mirena, por exemplo), é não só uma medida segura como defendida por alguns especialistas.

É o caso do ginecologista baiano Elsimar Coutinho, autor de "Menstruação: A Sangria Inútil" (Ed. Gente), livro de posicionamentos polêmicos sobre a menstruação e sua “real necessidade”. Para Coutinho, que estuda o tema há cinco décadas e teve sua tese em defesa do fim da menstruação reconhecida mundo afora, trata-se de “uma sangria inútil e ainda uma invenção da sociedade civilizada”.

Sua bisavó menstruava 40 vezes na vida. Você? 400.

O ginecologista explica: nossas avós e bisavós menstruavam poucas vezes na vida, nem um décimo do que uma mulher de hoje. Ou seja: enquanto elas sangravam 40 vezes em uma existência toda; você, no mesmo período, deve menstruar cerca de 400.

É simples entender o porquê da diferença. No século passado, a grande maioria da população feminina em fase reprodutiva quando não estava grávida, estava amamentando. E quando não estivesse em nenhuma das condições, estava pronta para gestar novamente. E a regra diz: se está grávida, a mulher não menstrua; se está amamentando, também não. Como naquela época as mulheres engatavam uma gravidez após a outra, não sobravam mesmo muitos intervalos para menstruar. Sangrar todo mês então, era algo inimaginável.

A não menstruação como medida de saúde pública.

Olhando por esse lado, a menstruação mensal é, sim, um fenômeno que surge com a mulher moderna, essa que não se restringe apenas a parir, parir, parir e parir de novo. Mas Coutinho vai além e entende que para ela, que está inserida no mercado de trabalho e não enxerga na maternidade e no ambiente doméstico seu único destino, a ideia de menstruar mensalmente é, além de inútil, maléfica. “Sangrar afasta as mulheres de uma vida plena, sem dores e limitações, e traz, além de incômodos periódicos, doenças.”

Daí vem outra defesa do ginecologista, “a não menstruação como medida de saúde pública”. Segundo ele, endometriose, anemia, TPM, cólicas e até câncer de mama podem estar ligados ao sangramento mensal. Para servir quem deseja suspender a menstruação, Coutinho desenvolveu o primeiro contraceptivo injetável de longa duração.

Nós fêmeas somos seres cíclicos.

Na contramão do que prega o médico baiano, a ginecologista e obstetra Ana Thais Vargas -- bem mais fã da menstruação que ele -- acredita que o ciclo menstrual é parte da fisiologia da mulher e uma maneira que o corpo tem de renovar seus ciclos, regulados por um mecanismo integrado de órgãos reprodutores, glândulas e sistema neurológico.
Dessa forma, menstruar é muito mais que um termômetro para você saber se está grávida. Não sangrar naturalmente também pode sinalizar outras coisas. “E você só consegue perceber esses sinais se está em um ciclo natural. Assim vai saber do seu próprio corpo, dos seus cheiros e secreções.”

O que pode acontecer ao interromper a menstruação?

Os anticoncepcionais hormonais -- único método até então para a interrupção -- tendem a baixar a libido. Mas você pode esperar também, dependendo da progesterona que vai tomar, uma diminuição do inchaço no corpo. Pode haver, ainda, uma melhora de pele e cabelo, especialmente em relação à oleosidade. TPM, cólica e alteração de humor e outras sensibilidades emocionais devem diminuir também. Não há riscos para fertilidade.

Se é um fenômeno tão natural, por que faria mal?

Médicos não têm um consenso sobre isso. Há os que defendem que menstruar mensalmente faz mal, como Elsimar Coutinho, e os que dizem que, na verdade, menstruar pode fazer muito bem, como Ana Thais Vargas.

Ok, quero parar de menstruar. O que devo fazer?

Os métodos disponíveis são todos hormonais. A maioria das pílulas funciona com dois hormônios: estrogênio e progesterona. O efeito anticoncepcional está no segundo. Existem pílulas só desse hormônio e com elas é possível interromper a menstruação de forma contínua. Há ainda o DIU Mirena, que também solta progesterona -- com ele você pode ficar até cinco anos sem menstruar.

É importante dizer aqui que mesmo as mulheres com problemas circulatórios, tendência a AVC e trombose podem tomar pílulas que apenas trazem progesterona ou usar o DIU Mirena, uma vez que "o hormônio responsável por esses fatores é o estrogênio", explica Vargas.

O sangue vai ficar preso?


A ideia de que menstruar todo mês limpa seu corpo não faz sentido, muito menos a de que você pode ficar com o “sangue preso”. Quando você escolhe não menstruar, seu corpo simplesmente fica em estado de latência.

QUEM RECEBE AUXÍLIO-DOENÇA TEM ATÉ HOJE PARA AGENDAR PERÍCIA...

FONTE:, (http://www.correio24horas.com.br).
Os convocados no dia 1º de agosto são aqueles com quem o INSS não conseguiu entrar em contato.


Termina hoje (21) o prazo para que beneficiários do auxílio-doença convocados pelo Diário Oficial da União procurem o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para agendar nova perícia médica.
Os beneficiários convocados no dia 1º de agosto são aqueles com quem o INSS não conseguiu entrar em contato por meio de cartas que, devido a informações insuficientes ou erradas, foram devolvidas pelos Correios.
Inicialmente, o prazo de cinco dias a partir da publicação da convocação terminaria no dia 5 de agosto. No entanto, horas antes do fim do prazo, o Ministério do Desenvolvimento Social anunciou, em nota enviada à imprensa, que a data limite estava sendo prorrogada para 21 de agosto.


A prorrogação foi divulgada um dia após a 20ª Vara Federal de Porto Alegre (RS) conceder liminar favorável à Defensoria Pública da União (DPU), que pedia que o INSS restabelecesse o pagamento de benefícios por incapacidade cancelados antes que os segurados tivessem passado por nova perícia.

6 COISAS QUE TODO HOMEM PRECISA SABER SOBRE A PRÓSTATA, O PONTO G MASCULINO...

FONTE: *** Heloísa Noronha, Colaboração para o UOL, (http://estilo.uol.com.br).


Estimular a próstata, aquela glândula escondidinha no reto do homem, pode gerar muito prazer e orgasmo intenso. Mas o primeiro passo para curtir isso é esquecer preconceitos e conhecer como ela funciona e o melhor jeito de estimulá-la. Guarde os tabus em uma gaveta bem fechada e leia as dicas a seguir de cabeça aberta, ok?

1. Carícia na próstata não é "coisa de gay".

Ideia antiga e ultrapassada. Esqueça isso de uma vez por todas! A orientação sexual envolve fatores múltiplos, e não o simples prazer em uma parte do corpo. Cada um é livre para fazer o que tem vontade, desde que a outra pessoa tope. Infelizmente, muitos homens ainda se deixam levar pela história machista de que a única zona erógena responsável por seu prazer é o pinto. Não é! O "fio terra" assusta, sem necessidade, a homarada, mas pode ser delicioso.

2. A próstata é considerada o ponto G dos homens.

A fama, na verdade, se deve mais aos depoimentos e relatos do que a estudos científicos. O que se sabe, segundo especialistas: toda a região genital, perineal e algumas partes internas do reto e da uretra é rica em nervos e, portanto, tem bastante sensibilidade. A próstata é tida como o ponto G masculino porque seu estímulo gera um tipo de orgasmo diferente e, em alguns casos, mais intenso do que o decorrente do estímulo genital.

3. Ela produz o sêmen.

A próstata é uma glândula que faz parte do sistema reprodutor masculino, ou seja, ela está mais relacionada à reprodução do que ao prazer. Ela é responsável pela produção de mais de 80% do sêmen e suas secreções são fundamentais para manter os espermatozoides vivos até a chegada ao óvulo para a fertilização. Quando o homem ejacula, libera grande parte da secreção prostática que está acumulada na glândula. Se fica muito tempo se ejacular, a próstata fica congesta.

4. Refúgio secreto.

Uma próstata saudável pesa cerca de 20 gramas e tem o tamanho de uma noz e a consistência da ponta do nariz. Normalmente fica a alguns centímetros da borda anal, na parede anterior do reto. Ela não faz parte do intestino, mas para tocá-la é necessário introduzir o dedo no ânus cerca de 7 centímetros para dentro do reto. Apenas uma parte dela é estimulada com o toque.

5. Antes do "vamos ver".

Primeiro, é bom escolher o momento adequado. Estar relaxado (e a fim) é fundamental, assim como usar um lubrificante íntimo. Quem for estimular precisa evitar manobras intempestivas e unhas muito compridas, que podem machucar a parede do reto. É melhor que o cara tenha feito cocô antes (e, óbvio, tomado um bom banho).

6. Na hora do "vamos ver".

Acariciar ou manipular suavemente outras regiões simultaneamente --pinto, mamilos, saco-- torna a experiência mais agradável e cômoda. Se o homem ficar de barriga para baixo, o ideal é que a polpa do dedo, onde está a digital, da pessoa fique virada para baixo, também. Uma leve pressão basta para estimular a próstata. Se o cara ficar de barriga para cima, a digital também fica para cima.

7. Você pode tentar brinquedos.

Há estimuladores e vibradores específicos e seguros para o ânus, como The Walker, Nexus e DOM, que podem ser usados a dois ou a sós. Feitos de material macio, não provocam machucados nem oferecem riscos. Não use objetos que não tenham essa finalidade.

8. Nem todo mundo pode receber o estímulo.

Qualquer tipo de ferida na região anal ou do períneo exige o cuidado médico antes do estímulo dessa área. A próstata não deve ser pressionada se o homem apresenta um quadro de prostatite bacteriana, pois ajudaria a disseminar a bactéria para a circulação. A manipulação também é proibida em casos de infecção urinária, orquite, epididimite, HPV ou hemorróidas.


*** FONTES: Alex Meller, urologista da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo); Leila Campos, sexóloga e terapeuta sexual, de Macaé (RJ); Paulo Tessarioli, presidente da Abrasex (Associação Brasileira dos Profissionais de Saúde, Educação e Terapia Sexual), e Valter Javaroni, chefe do Departamento de Medicina Sexual e Infertilidade da SBU (Sociedade Brasileira de Urologia), regional RJ.

5 ARMADILHAS NO SEU TRABALHO QUE ESTÃO FAZENDO VOCÊ GANHAR PESO...

FONTE:, Gislene Pereira, (http://www.msn.com).


Do horário em que você chega ao stress causado por grandes projetos: aprenda a contornar esses problemas e manter sua silhueta a salvo. Veja 5 armadilhas no seu trabalho que estão fazendo você ganhar peso:

1. Horário.
Pular o café da manhã para chegar mais cedo no escritório pode até ajudá-la a colocar as pendências de trabalho em dia, mas no que diz respeito às suas medidas, o hábito só vai atrapalhar. Acontece que começar o dia sem abastecer o organismo vai fazer com que você exagere na refeição seguinte. Então, acorde um pouco mais cedo para dar tempo de preparar algo antes de sair. “Se estiver muito atrasada, leve uma maçã para comer no caminho”, sugere Renato Zilli, endocrinologista do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. O importante é não sentar no computador de estômago vazio.

2. Guloseimas.
Um chocolatinho aqui, uma bolachinha ali… Você pode achar que não, mas aceitar pequenos mimos dos colegas de trabalho pode se transformar em um problema daqueles. “Boa parte das calorias que ingerimos durante o dia vêm desses excessos”, conta Zilli. “O ideal é se programar e levar opções saudáveis de casa para não cair na tentação”, complementa.

3. Almoço.
Se você mal se lembra da última vez que almoçou longe do computador, cuidado! Comer em frente à tela compromete sua atenção e faz você mastigar mais e mais rápido. Daí, não tem balança que aguente a ingestão exagerada de calorias. Para contornar o problema, combine de fazer a refeição com alguma colega, nem que seja na mesa de reunião.

4. Stress.
Às vezes, fica difícil de controlar as emoções e as demandas da chefia, não é mesmo? Especialmente se seu superior aparece com um projeto urgente de última hora. “O stress altera o apetite e aumenta a procura por opções calóricas”, explica Zilli. Como não dá para jogar tudo para o alto e ignorar as responsabilidades, tente se lembrar que, diante dessas situações, sua vontade de beliscar acaba sendo emocional. Assim fica mais fácil controlar a compulsão.

5. Noites em claro.

Trabalhar até tarde com frequência não faz nada bem. “As noites no escritório causam um cansaço excessivo que desperta a vontade de comer. E pior: fazem com que você encare doces como uma recompensa por todo seu esforço”, conta o especialista. Para não cair nessa armadilha, prepare um lanchinho leve e deixe-o guardado para a hora de ir embora.

FLU SUPERA OBSTÁCULOS E JOGA POR MÊS DE INVENCIBILIDADE CONTRA O GALO...

FONTE: Leo Burlá, Do UOL, no Rio de Janeiro, (http://esporte.uol.com.br).


Em 11º lugar no Campeonato Brasileiro, o Fluminense ainda busca o salto que colocará a equipe na zona de classificação da Libertadores, objetivo número 1 do clube na temporada.

Ainda que o torcedor não esteja lá muito empolgado com o desempenho recente, fato é que o Flu poderá atingir um mês quase perfeito nesta noite. Caso não perca para o Atlético-MG, nesta segunda, às 20h, o time deixará o Maracanã sem saber o que é ser batido desde o mês passado.

A última vez que o Tricolor saiu derrotado de campo foi no dia 23 de julho, quando o líder Corinthians venceu a equipe carioca por 1 a 0. De lá para cá o time colecionou vitórias contra Universidad de Quito e Atlético-GO, e empates ante Sport, Ponte Preta e Santos. Depois de encarar o Galo, o desafio tricolor será contra o Vasco.

A sequência de invencibilidade coincide com o momento mais delicado do clube na temporada. Além da oscilação em campo, o grupo ainda sofreu o baque causado pela morte do jovem João Pedro, filho mais novo do técnico Abel Braga.

Como a equipe teve a semana livre para treinar e se recuperar do desgaste, o treinador acredita que isso poderá ser um bom diferencial na partida contra um rival que tem apresentado futebol abaixo da expectativa neste ano: "A diferença de dias de treinamento é incrível. O rendimento individual sobe de forma absurda. O Atlético foi bem no último jogo, vai vir aqui marcando alto. Era um dos candidatos ao título, mas isso não significa nada".

O técnico ainda tem outra razão para festejar. Além de mais tempo de trabalho, o Flu deverá repetir a escalação pela primeira vez. Salvo algum imprevisto, a equipe que começará o clássico no Rio será a mesma que empatou em 0 a 0 com o Santos.

Ficha Técnica.

Fluminense x Atlético-MG

Data e horário: 21/8/2017

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro

Árbitro: Vinicius Goncalves Dias Araujo (SP)

Auxiliares: Rogerio Pablos Zanardo (SP) e Herman Brumel Vani (SP)

Fluminense: Júlio César, Lucas, Renato Chaves, Henrique e Léo; Orejuela, Marlon Freitas, Wendel e Scarpa; Wellington Silva e Henrique Dourado. Técnico: Abel Braga.


Atlético-MG: Victor, Marcos Rocha, Leonardo Silva, Bremer e Fábio Santos; Roger Bernardo, Yago, Elias e Cazares; Luan e Rafael Moura. Técnico: Rogério Micale.

MUITO ALÉM DA CÁRIE: 9 DOENÇAS QUE SE MANIFESTAM PELA BOCA...

FONTE:, André Biernath, (http://www.msn.com).


Consultar o dentista a cada semestre ou a cada ano é essencial para identificar problemas bucais como a cárie, a periodontite e o acúmulo de biofilme. Além de detectar e reverter as condições, esse profissional de saúde tem um papel fundamental para flagrar outras doenças que ultrapassam as fronteiras da boca. O Conselho Regional de Odontologia de São Paulo listou nove enfermidades que dão sinais por ali:

1. Sífilis.

Um dos primeiros sintomas dessa infecção bacteriana é uma ferida na gengiva que demora a cicatrizar. Ela também pode causar placas vermelhas e úlceras nessa região. O Brasil, aliás, vive um surto da doença: só no estado de São Paulo houve um crescimento de 603% no número de casos em seis anos. O problema é ainda maior para gestantes e bebês: a elevação foi de 1001% nesse grupo. E pensar que um simples antibiótico é capaz de tratar o quadro e evitar muitas de suas complicações…

2. Leucemia.

Esse tipo de câncer que se inicia na medula óssea e afeta as células do sangue é marcado por um inchaço da gengiva e uma maior propensão a sangramentos espontâneos sem nenhuma razão aparente. O aparecimento dessas características exige muita atenção.

3. Anemia.

A ausência de glóbulos vermelhos saudáveis causa fadiga, palidez, falta de ar e tonturas. Outra manifestação é uma língua mais lisa — parece que ela fica “careca”, como um pneu velho que rodou muito por avenidas e estradas. O ideal é que esse músculo esteja sempre áspero e brilhante.

4. Bulimia.

Esse transtorno psiquiátrico é marcado por abusos de laxantes e pela indução de vômito. O paciente ainda alterna episódios de compulsão seguidos por momentos compensação. O hábito de regurgitar com frequência faz com que muitos ácidos do estômago cheguem à boca. Isso destrói as camadas superficiais dos dentes e machuca toda a mucosa.

5. Câncer bucal.

O vírus HPV, transmitido durante o sexo, está por trás da maioria dos casos de câncer do colo do útero. Ele também é um dos principais vilões dos tumores de cabeça e pescoço. Na boca, ele forma verrugas que podem evoluir para uma encrenca mais séria. Se você perceber alguma afta ou lesão que não desaparece após duas semanas, é bom verificar logo com o dentista o que está acontecendo.

6. Doenças Autoimunes.

Enfermidades como o lúpus eritematoso sistêmico e o pênfigo vulgar, em que o próprio sistema imune ataca estruturas do corpo, podem dar sinais como úlceras nas mucosas da boca. Essas feridas doem bastante e não costumam se fechar facilmente.

7. Diabetes.

O descontrole nas taxas de açúcar pode vir junto com um hálito ruim. Há quem diga que o cheiro se assemelhe ao de frutas envelhecidas. Esses pacientes usualmente apresentam gengivite, a inflamação das gengivas.

8. Cirrose hepática.

Lesões no fígado têm inúmeras causas, como o álcool, a gordura e alguns tipos de vírus. Se não tratadas a tempo, elas podem se tornar crônicas e comprometer de vez a saúde. Nesses indivíduos, as partes moles da boca mudam de cor e chegam a ficar até amarelas ou esverdeadas.

9. AIDS.


A doença provocada pelo vírus HIV pode aparecer aqui por meio de gengiva inflamada, placas esbranquiçadas, linhas verticais brancas na região lateral da língua e aftas de grande extensão. O sistema imune enfraquecido pela infecção possibilita que outros micro-organismos tomem conta do espaço e levem a todas essas chateações.

ATLÉTICO-MG DEIXA FRED NA RESERVA PARA ATACANTE GANHAR TEMPO COM PREPARAÇÃO...

FONTE: Victor Martins, Do UOL, em Belo Horizonte, (http://esporte.uol.com.br).


Na sexta-feira, o técnico Rogério Micale teve mais de uma hora de conversa com Robinho e Fred. Na coletiva, o treinador confirmou que o centroavante seguiria os passos do camisa 7 e ficaria no banco de reservas contra o Fluminense, nesta segunda-feira, às 20h, no Maracanã, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro. Uma surpresa, pois Fred é o artilheiro do Atlético-MG na temporada, com 23 gols.

Porém, a decisão de Rogério Micale é para que o camisa 9 esteja melhor nas próximas rodadas e seja capaz de ajudar o Galo na busca por um lugar no G-6 do Campeonato Brasileiro. Hoje, o time está a quatro pontos do Cruzeiro, atual sexto colocado.

"Talvez as características de outros jogadores sejam até mais importantes neste momento. Então é usar os ingredientes certos para montar uma equipe competitiva. Sei que é difícil de entendimento para o nosso torcedor, que quer aquilo que ele viu. Mas nós, da área técnica, temos de identificar isso e fazer o melhor para o clube hoje", explicou Rogério Micale.

E a avaliação da comissão técnica é que Fred ainda não está em condições física e técnica de ser titular do Atlético contra o Fluminense. O centroavante se machucou no dia 23 de julho, contra o Vasco, sofrendo uma lesão muscular na panturrilha direita. No jogo da eliminação contra o Jorge Wilstermann, em 9 de agosto, Fred atuou os 90 minutos, mas no sacrifício e sem muita mobilidade.

Tanto que a programação era para o goleador atleticano ficar fora contra o Flamengo, como realmente aconteceu. Baseada no jogo com o Jorge Wilstermann e nos dias de treinamento na Cidade do Galo, a comissão técnica entende que o jogo contra o Fluminense não era o melhor momento para Fred voltar como titular.

E tudo indica que isso deve mudar na rodada seguinte, no dia 27, quando o Galo visita a Ponte Preta. Com uma semana mais de treinos e melhor preparado, Fred deve recuperar a condição de titular.


Assim, nesta segunda, contra o Fluminense, Rafael Moura vai ser titular. Fred está relacionado e vai ficar no banco de reservas. Pode ganhar alguns minutos no segundo tempo. Tudo para que o centroavante, artilheiro do Brasileirão em três oportunidades, ano passado por Flu e Galo, seja capaz de ajudar o clube mineiro na briga por lugar no G-6.

A SEXUALIDADE DURANTE A GRAVIDEZ...

FONTE: Giancarlo Spizzirri* (http://psique.uol.com.br), Adaptação web Caroline Svitras.

Diversos fatores influenciam o funcionamento sexual durante a gravidez, como a falta de conhecimento das mudanças do corpo e os mitos e tabus que envolvem sexo e gestação.


O corpo da mulher passará por diversas mudanças durante a gravidez. Vale lembrar que não há uma alteração específica – durante o período gestacional – que promova a perda do interesse sexual, e sim o resultado da interação dos aspectos biológicos com os emocionais e sociais. Por exemplo: a gravidez pode ser um dos momentos para o redimensionamento dos vínculos afetivos de um casal, que poderão influenciar na intimidade e na resposta sexual; outro aspecto que merece ser lembrado diz respeito às “crenças, mitos e tabus” que acompanham as alterações pelas quais o corpo das mulheres passará. Está relatado que mulheres com conhecimento das mudanças físicas que seu corpo enfrentará terão uma relação mais saudável com diversos elementos de sua sexualidade; ainda mais quando a parceria estiver envolvida nesse processo. Para facilitar o entendimento e suas possíveis influências da gravidez no funcionamento sexual, dividiremos o período gestacional em três trimestres.

Primeiro trimestre: Durante essa fase, questões como aceitação e/ou rejeição da gravidez poderão ser relevantes e causar angústia. Sentimentos ambíguos em relação a esse momento da vida poderão estar presentes, os quais, na grande maioria das vezes, irão repercutir na resposta sexual. Várias mulheres não notam diferença no desejo sexual no primeiro trimestre da gravidez, algumas referem, inclusive, melhora no desempenho sexual; entretanto, outras apresentam uma diminuição e/ou falta do interesse sexual. Não podemos esquecer que as alterações hormonais poderão causar sintomas como: náuseas, vômitos, sonolência e até mesmo depressão, que também refletirão de forma negativa no desempenho sexual.

Segundo trimestre: Habitualmente, os temas relacionados à aceitação/rejeição deixaram de compor o cenário das gestantes (na sua maioria), é uma fase que várias mulheres referem melhora da autoestima, e, consequentemente, percebem-se mais felizes com sua aparência, o que influenciará positivamente no desempenho sexual. Associado ao fato de que sintomas como náuseas, vômitos e sonolência tendem a desaparecer, o que promove bem-estar. Por outro lado, para outras, pode ocorrer diminuição do desejo sexual, que frequentemente está relacionado a sentimentos de fragilidade, sejam eles motivados pelas dificuldades emocionais pertinentes à gestação e/ou problemas relacionais com a parceria, entre outros.

Terceiro trimestre: Nessa fase, o parto está próximo, e consequentemente a ansiedade aumenta, não é incomum a diminuição do interesse sexual ocasionado pelo estresse associado à iminência do parto; além disso, as mudanças físicas, mais acentuadas, podem acarretar dores físicas que, também, influenciarão negativamente na resposta sexual.

O acompanhamento médico é imprescindível durante toda a gestação. Muitas vezes, um acompanhamento psicológico pode ser importante também.

Quando não há intercorrências, a atividade sexual pode ser mantida durante a gravidez, aliado ao fato de que a maior produção de hormônios durante o período gestacional promove incremento da lubrificação vaginal. Portanto, um bom caminho a ser seguido pelas futuras e/ou presentes gestantes é o conhecimento sobre as alterações que seu corpo e psiquismo enfrentarão nesse período. A instrução aliada aos aconselhamentos por profissionais envolvidos com a temática da sexualidade humana podem ser de grande valia para a promoção de uma qualidade de vida sexual satisfatória durante a gestação.

Para conferir o texto na íntegra garanta a sua revista Psique Ciência & Vida aqui!

Adaptado do texto “Momento de dúvidas e incertezas”.


*Giancarlo Spizzirri é psiquiatra doutor pelo Instituto de Psiquiatria (IPq) da Faculdade de Medicina da USP, médico do Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex) do IPq e professor do curso de especialização em Sexualidade Humana da USP. 

domingo, 20 de agosto de 2017

SUA POSIÇÃO SEXUAL PREFERIDA DIZ MUITO SOBRE VOCÊ; DESCUBRA!...

FONTE: Thais Carvalho Diniz, Do UOL, em São Paulo (http://estilo.uol.com.br).


As expressões corporais não denunciam apenas que uma investida está dando certo ou que existe crise no relacionamento. O corpo fala, e na cama não é diferente. O UOL falou com especialistas sobre cinco posições sexuais e o que elas podem dizer sobre você e seu par, quando são as favoritas. A consultoria é de Paulo Sergio de Camargo, autor de "Linguagem Corporal: Técnicas para Aprimorar Relacionamentos Pessoais e Profissionais" (Summus Editorial) e Iracema Teixeira, sexóloga e docente do Centro de Psicologia Formativa do Brasil.




Você por cima.
O afeto está muito mais em jogo nessa tradicional posição. Engana-se quem pensa que estar por cima na hora da transa demonstra apenas desejo de dominação. Estar de frente no sexo possibilita a troca de olhares, que intensifica o prazer e mostra que a pessoa valoriza a intimidade do casal. E muita gente vai concordar que é uma delícia ver a cara de tesão de alguém, não é mesmo?










De quatro.
Para quem penetra, a mensagem é clara: curte dominação. 

Além disso, quem prefere estar nessa condição gosta de ver o parceiro como um objeto de prazer, já que os olhares não se cruzam. 

Com uma penetração profunda, é a posição que atinge o ponto alto do erotismo para ambos. E os que preferem estar de quatro, passam o desejo de se colocar como passivo e dominado.





De ladinho.
A famosa posição da conchinha representa aconchego, conforto e, sim, uma certa preguicinha para os que têm preferência por ela. Embora seja menos intensa e demandar menos trabalho na hora da transa, tem seu erotismo, uma vez que o parceiro que está na frente fica "à disposição" do que está por trás.












69
Mais famosa na teoria do que na prática, os que preferem a troca do sexo oral curtem a fantasia do prazer e de ter o outro totalmente exposto na hora da transa. 

É uma experiência que, na maioria dos casos, exige confiança, intimidade e o desejo de agradar.




Em pé.
Sexo em pé é o favorito dos que querem resolver tudo rápido e não têm a manha de ficar enrolando, com mil e umas preliminares. 

Por conta disso, o clima vai estar recheado de risco e, claro, muita excitação, o que demonstra um espírito aventureiro dos parceiros. 

Aqui, o interesse maior é o sexo em si e não a troca de carinhos. Além disso, transar em pé exige sair da cama e possibilita novas locações. 

TRÊS PARTES DO CORPO QUE VOCÊ SE ESQUECE DE EXERCITAR, MAS NÃO DEVERIA...

FONTE:TENA, (http://www.vix.com).


Quando pensamos em exercícios, caminhar ou fazer atividades para fortalecer braços e pernas costumam ser nossa primeira lembrança. Mas você já parou para pensar que alguns dos nossos principais músculos ficam escondidos e devem ser igualmente trabalhados, já que desempenham funções de extrema importância?

Conheça alguns deles.

Assoalho pélvico.

O assoalho pélvico ou períneo é o grupo de músculos localizado entre a uretra, canal vaginal e ânus. Embora fique quase escondido, ele tem funções extremamente importantes: sustentação da bexiga, controle urinário e fecal e garantia da qualidade das relações sexuais.
Nas mulheres, o enfraquecimento desse músculo é mais comum do que nos homens e pode acontecer até em mulheres jovens. Entre as causas estão a presença do próprio canal vaginal, a gestação (já que o períneo também sustenta o peso do bebê) e as mudanças hormonais que vêm junto com a menopausa.
O primeiro sintoma de enfraquecimento do assoalho pélvico é a dificuldade de segurar a urina em situações corriqueiras, como rir ou espirrar. A incontinência urinária, embora não seja grave, pode reduzir a qualidade de vida, fazendo com que as pessoas se privem de determinadas situações e eventos sociais.
A prevenção consiste em um exercício simples capaz de fortalecer a musculatura: basta fazer uma série de contrações como se estivesse segurando o xixi. Contraia o máximo que conseguir e solte em seguida, dez vezes. O tratamento, em geral, envolve fisioterapia pélvica, com o uso de bola de pilates e até eletroestimulação para ajudar nas contrações.

Lombar.

A região lombar, junto com o abdômen, pelve e quadril, é a principal responsável pela estabilidade do corpo. Esse quarteto forma o que chamamos de Core, o nosso centro de gravidade. Para desempenhar bem qualquer atividade e ficar longe de lesões, é preciso que ela esteja fortalecida. Qualquer atividade mesmo, inclusive as sedentárias.

Quando passamos muito tempo em frente ao computador com uma postura inadequada (o que acontece com frequência), sentimos dor na lombar. Levantar um objeto pesado do chão de mau jeito? Dor na lombar. Exercício na academia com execução inadequada? Dor na lombar.

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), a lombalgia atinge 80% da população mundial. Alguns casos correspondem a problemas mais sérios, como as hérnias, mas muitos poderiam ser prevenidos com medidas de alongamento e fortalecimento da região.

Exercícios de extensão lombar na bola ou na máquina são alguns dos indicados e devem ser combinados com exercícios abdominais. Lembrando que todos devem ser executados sob supervisão de um profissional.


Cérebro.

Achou estranho? O mal de Alzheimer é a doença neurodegenerativa mais comum que conhecemos. Ela acontece quando o cérebro perde suas funções cognitivas e não cognitivas e,embora atinja majoritariamente idosos, já foi diagnosticada em pessoas na casa dos 30 anos.

Suas causas ainda são desconhecidas, mas a ciência afirma que é possível se proteger e retardar a doença com exercícios que estimulem o cérebro, já que adquirir novos conhecimentos cria novas conexões entre os neurônios.


Atividades que nos obriguem a sair do modo automático são bastante benéficas. Jogos de raciocínio e que estimulem a memória, como Sudoku e palavras-cruzadas; jornais, revistas ou sites que tragam informações sobre o mundo; aprender uma atividade, como tocar um instrumento ou pintar; fazer caminhos diferentes para ir ao trabalho. Que tal começar hoje?