sexta-feira, 31 de maio de 2013

O QUE AS LINHAS DO SEU ROSTO DIZEM SOBRE VOCÊ?... FONTE: Renata Reif/iG São Paulo, TRIBUNA DA BAHIA. FOTO FACE Cada marca de expressão de uma pessoa conta uma história sobre ela, como um mapa emocional. Pensamentos e sentimentos se comunicam com a musculatura do rosto, formando linhas que identificam emoções. É este o princípio da fisiognomia, técnica de análise da personalidade por meio dos traços de expressão do rosto. A leitura faz rever alguns padrões de beleza. Por exemplo, se os pés de galinha perto dos olhos da atriz Adriana Esteves a incomodam, vale repensar: estas ruguinhas denotam uma pessoa agradável, que sorri facilmente. * Avaliações por João Oliveira, autor do livro “Saiba Quem Está à Sua Frente”. Apesar de não ter reconhecimento científico, a fisiognomia é uma técnica milenar. Segundo o site do IBRAFIS, Instituto Brasileirode Fisiognomia e Hipnose Clínica, os primeiros registros a respeito datam do Egito Antigo, em 3000 a.C. “A microexpressão facial não se controla”, diz a especialista Valquiria Martinez, autora do livro “Os Mistérios do Rosto” (Editora Madras). Saber o que está se passando na cabeça de alguém não demanda tanto conhecimento. Por mais que existam mais de 10 mil expressões faciais, todo bebê já demonstra seis básicas: alegria, tristeza, medo, surpresa, nojo e raiva. “A sétima, que é o desprezo, o ser humano adquire socialmente”, explica o psicólogo João Oliveira, autor do livro “Saiba Quem Está à Sua Frente” (Wak Editora). Se os sentimentos são bons, a musculatura é elevada e os traços vão para cima. O inverso também ocorre. “Sentimentos e pensamentos tristes fazem com que a musculatura caia e o lábio fique para baixo”, diz Valquiria. Para reconhecer uma pessoa preocupada, basta ver se seu semblante está fechado. Quando este comportamento é predominante e ela tensiona a região acima dos olhos durante muito tempo, criam-se vincos. Quando isso acontece, mulheres normalmente recorrem à cirurgiaplástica. A operação, no entanto, pode apagar aspectos muito positivos de uma pessoa. “O 'bigode chinês', por exemplo, representa a capacidade comunicativa”, diz João Oliveira. “Vai haver um momento em que as pessoas darão valor a cada marca que tiver no rosto. É a biografia delas”, completa. Para aplicar a técnica no dia a dia. A testa, ou a região mental do rosto, diz muito sobre a saúde emocional de uma pessoa. Fique atento às linhas da parte superior da face. “Se forem retas, a emoção é constante e equilibrada. Se a pessoa oscila muito emocionalmente, essas linhas ficam falhadas. Quando estão voltadas para baixo, a autoestima é elevada, beirando até a prepotência”, aponta João. Os contornos e a figura geométrica do rosto também contam na leitura. A figura vertical, de rosto bem comprido, é o das ideias, da teoria. Já o horizontal é ligado à prática, à ação. “O rosto muito comprido denota uma pessoa insegura ou reservada. O rosto horizontal aponta uma pessoa extrovertida”, diz Valquiria. Hereditariedade e experiência. Os traços hereditários são imutáveis – o formato e tamanho dos olhos, boca e nariz, por exemplo. Os demais vão sendo modificados conforme o meio-ambiente e as escolhas de vida – hábitos como fumar, tomar sol em excesso e ter uma alimentação desregrada alteram as características da pele. Os atores são uma exceção. Como vivem intensamente seus personagens no teatro e no cinema, João diz, a maioria deles tem as linhas da testa falhadas. “Os que fazem televisão não têm tanto dano”, compara. Se os traços da fisionomia são alterados pelas expressões, o estado emocional pode ser um aliado poderoso na busca pela estética. “Sentir o mundo melhor faz com que a musculatura erga-se. A pessoa que está sempre sorrindo cria a máscara do teatro da alegria, e não a do drama”, recomenda Valquiria.


FONTE: Renata Reif/iG São Paulo, TRIBUNA DA BAHIA.

 

             

Cada marca de expressão de uma pessoa conta uma história sobre ela, como um mapa emocional. Pensamentos e sentimentos se comunicam com a musculatura do rosto, formando linhas que identificam emoções. É este o princípio da fisiognomia, técnica de análise da personalidade por meio dos traços de expressão do rosto.

A leitura faz rever alguns padrões de beleza. Por exemplo, se os pés de galinha perto dos olhos da atriz Adriana Esteves a incomodam, vale repensar: estas ruguinhas denotam uma pessoa agradável, que sorri facilmente. 


* Avaliações por João Oliveira, autor do livro “Saiba Quem Está à Sua Frente”.
Apesar de não ter reconhecimento científico, a fisiognomia é uma técnica milenar. Segundo o site do IBRAFIS, Instituto Brasileiro de Fisiognomia e Hipnose Clínica, os primeiros registros a respeito datam do Egito Antigo, em 3000 a.C.

“A microexpressão facial não se controla”, diz a especialista Valquiria Martinez, autora do livro “Os Mistérios do Rosto” (Editora Madras). Saber o que está se passando na cabeça de alguém não demanda tanto conhecimento. Por mais que existam mais de 10 mil expressões faciais, todo bebê já demonstra seis básicas: alegria, tristeza, medo, surpresa, nojo e raiva.

“A sétima, que é o desprezo, o ser humano adquire socialmente”, explica o psicólogo João Oliveira, autor do livro “Saiba Quem Está à Sua Frente” (Wak Editora). Se os sentimentos são bons, a musculatura é elevada e os traços vão para cima. O inverso também ocorre. “Sentimentos e pensamentos tristes fazem com que a musculatura caia e o lábio fique para baixo”, diz Valquiria.

Para reconhecer uma pessoa preocupada, basta ver se seu semblante está fechado. Quando este comportamento é predominante e ela tensiona a região acima dos olhos durante muito tempo, criam-se vincos.

Quando isso acontece, mulheres normalmente recorrem à cirurgia plástica. A operação, no entanto, pode apagar aspectos muito positivos de uma pessoa. “O 'bigode chinês', por exemplo, representa a capacidade comunicativa”, diz João Oliveira. “Vai haver um momento em que as pessoas darão valor a cada marca que tiver no rosto. É a biografia delas”, completa.


Para aplicar a técnica no dia a dia.
A testa, ou a região mental do rosto, diz muito sobre a saúde emocional de uma pessoa. Fique atento às linhas da parte superior da face. “Se forem retas, a emoção é constante e equilibrada. Se a pessoa oscila muito emocionalmente, essas linhas ficam falhadas. Quando estão voltadas para baixo, a autoestima é elevada, beirando até a prepotência”, aponta João.

Os contornos e a figura geométrica do rosto também contam na leitura. A figura vertical, de rosto bem comprido, é o das ideias, da teoria. Já o horizontal é ligado à prática, à ação. “O rosto muito comprido denota uma pessoa insegura ou reservada. O rosto horizontal aponta uma pessoa extrovertida”, diz Valquiria.


Hereditariedade e experiência.
Os traços hereditários são imutáveis – o formato e tamanho dos olhos, boca e nariz, por exemplo. Os demais vão sendo modificados conforme o meio-ambiente e as escolhas de vida – hábitos como fumar, tomar sol em excesso e ter uma alimentação desregrada alteram as características da pele.

Os atores são uma exceção. Como vivem intensamente seus personagens no teatro e no cinema, João diz, a maioria deles tem as linhas da testa falhadas. “Os que fazem televisão não têm tanto dano”, compara.

Se os traços da fisionomia são alterados pelas expressões, o estado emocional pode ser um aliado poderoso na busca pela estética. “Sentir o mundo melhor faz com que a musculatura erga-se. A pessoa que está sempre sorrindo cria a máscara do teatro da alegria, e não a do drama”, recomenda Valquiria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário